Saturday, June 03, 2006

Alicerces


Pedro J. Bondaczuk

Deus, como estou faminto
de participar da ceia do amor,
de envolve-la nos grilhões dos braços,
de reter seu corpo ao ígneo oceano
dos meus incontidos desejos,
de captar a alma do tempo,
de calar o murmúrio do infinito,
de promover a fusão irreversível
dos anseios e dos objetivos!!!

Quero deter a fuga célere das horas,
prender o agora nas celas da alma,
pra que o amor não se deteriore
em maçante rotina, em cáustica indiferença.

Quero viver, intensamente, o presente
de uma forma ideal, substantiva,
fazer deste momento inesquecível
alicerces para um amor superlativo!

(Poema composto em Campinas, em 25 de março de 1978)

3 comments:

Anonymous said...

Great site loved it alot, will come back and visit again.
»

Anonymous said...

Great site loved it alot, will come back and visit again.
»

Anonymous said...

I find some information here.