Tuesday, September 01, 2015

O escritor – qualquer um que se preze – é uma colcha de retalhos de influências. É influenciado pelas experiências de infância, pela educação que recebeu, pelo ambiente em que foi criado e em que vive, pelas pessoas com as quais se relaciona, por sua capacidade de observação, pelas oportunidades de acesso aos meios de informação e... sobretudo pelos livros, mais especificamente autores, que lê. É como uma espécie de calidoscópio. A cada giro do tubo que caracteriza esse objeto, experimenta uma metamorfose e já é diferente do que era antes de alguém girar essa engenhoca cheia de vidros coloridos. Para ser mais exato, devo admitir que todas as pessoas, não importa o que façam, sofrem essas influências. E por elas serem diversas e, principalmente, aleatórias, ninguém é exatamente igual a ninguém. Pode haver, até, muitos parecidos. As semelhanças aumentam ainda mais até ficarem próximas da igualdade (no caso dos gêmeos univitelino principalmente) mas são insuficientes. Iguais, iguais mesmo, jamais as pessoas, quaisquer pessoas, serão. Mesmo que  sejam clones uma da outra, ou seja, cópias rigorosamente exatas.


@@@@@@@@

Livros que recomendo:

“Balbúrdia Literária”José Paulo Lanyi – Contato: jplanyi@gmail.com
“A Passagem dos Cometas” – Edir Araújo – Contato: edir-araujo@hotmail.com
“Aprendizagem pelo Avesso” Quinita Ribeiro Sampaio – Contato: ponteseditores@ponteseditores.com.br
“Um dia como outro qualquer” – Fernando Yanmar Narciso.  

O que comprar:

Cronos e Narciso (crônicas, Editora Barauna, 110 páginas) – “Nessa época do eterno presente, em que tudo é reduzido à exaustão dos momentos, este livro de Pedro J. Bondaczuk reaviva a fome de transcendência! (Nei Duclós, escritor e jornalista).Preço: R$ 23,90.

Lance fatal (contos, Editora Barauna, 73 páginas) – Um lance, uma única e solitária jogada, pode decidir uma partida e até um campeonato, uma Copa do Mundo. Assim como no jogo – seja de futebol ou de qualquer outro esporte – uma determinada ação, dependendo das circunstâncias, decide uma vida. Esta é a mensagem implícita nos quatro instigantes contos de Pedro J. Bondaczuk neste pequeno grande livro. Preço: R$ 20,90.

Como comprar:

Pela internetWWW.editorabarauna.com.br – Acessar o link “Como comprar” e seguir as instruções.
Em livraria Em qualquer loja da rede de livrarias Cultura espalhadas pelo País.        

 Acompanhe-me pelo twitter: @bondaczuk 

Crise econômica vem de longe



Pedro J. Bondaczuk


O presidente Mikhail Gorbachev apostou todo o seu destino enquanto homem público, toda a sua carreira política, na Perestroika. Frisou, em inúmeras oportunidades, que sabia das dificuldades que iria enfrentar e que tinha consciência dos adversários que teria de superar, não mediante a violência, mas através de seus argumentos.

Objetivamente, o que ele pretende resvala para o terreno da utopia. Deseja fazer a fusão de métodos capitalistas na gestão da economia – com a implantação de um sistema de mercado – com postulados socialistas, no que diz respeito à distribuição de riquezas.

Aparentemente, é uma tarefa irrealizável. Assemelha-se a misturar água e óleo. Todavia, nem todos pensam dessa forma. Gente muito experiente e tarimbada, como Hermann Kahn, por exemplo, muito popular em fins dos anos 60 pelos seus exercícios de futurologia, achava tal fusão não apenas possível, como desejável.

Numa entrevista que concedeu, em fevereiro de 1977, o gênio do Instituto Hudson afirmou: “A longo prazo o mundo será quase todo, ou todo socialista. Um bom capitalismo produz o socialismo”. Evidentemente, não o comunismo. E não é este que Gorbachev pretende conservar. Muito pelo contrário, seu empenho é o de ser coveiro desse sistema, que levou o seu país ao atual estado de desorganização e caos.

Os críticos do presidente soviético ou têm má memória ou são muito mal intencionados. Tanto os conservadores comunistas quanto os ditos reformistas radicais querem somente o poder a qualquer custo, sem se importar com as conseqüências de suas ações.

O líder do Cremlin assumiu uma massa falida ao ascender ao cargo máximo da URSS, em março de 1985. Não foi ele, portanto, nem seu projeto de mudanças que afundaram a nação. Desde o início dos anos 70, a economia nacional já dava sinais de exaustão em virtude, tanto de uma gestão desastrada e incompetente dos cardeais do Partido Comunista, quanto dos gastos insuportáveis na corrida armamentista nuclear com os Estados Unidos.

Em 1985, portanto seis anos antes da atual crise, o economista soviético Georges Sokoloff constatou, no estudo “As Fontes do poder Soviético, a Economia, a População e os Recursos”: “Apesar dos seus investimentos e esforços notáveis, a União Soviética conserva uma economia subdesenvolvida. A estrutura do seu comércio exterior com o Ocidente lembra um país em vias de desenvolvimento. Esta impressão é confirmada pelo crescimento rápido de sua dívida externa em divisas conversíveis desde que o poder decidiu abrir a economia para atenuar as insuficiências do seu patrimônio nacional. Para compreender essa situação é preciso considerar a enorme sangria que representa a busca da parida militar com os Estados Unidos”.

Quando Gorbachev assumiu, a crise já era gravíssima. Ele pegou nas mãos uma autêntica bomba de tempo que iria explodir a qualquer momento. O desmonte do sistema centralizado de gestão econômica era algo que sequer poderia ser cogitado no país, sob pena de quem ousasse fazer isso acabar parando em algum manicômio.

O presidente soviético, todavia, ousou, movido por um empenho sincero em salvar o país da falência, não somente em planejar isso, mas em tentar executar. Entre continuar alimentando uma mentira triunfalista, e salvar a URSS, optou pelo gesto patriótico, mesmo consciente dos riscos que estava correndo.    

(Artigo publicado na página 15, Internacional, do Correio Popular, em 24 de abril de 1991)


Acompanhe-me pelo twitter: @bondaczuk       
Nada como o sol

Pedro J. Bondaczuk

O livro “Nada como o sol”, do escritor inglês Anthony Burgess (que também foi compositor e crítico literário) propõe-se a resgatar, de forma romanceada, a supostamente turbulenta vida amorosa de William Shakespeare. O título foi extraído de um pedaço de verso do conhecidíssimo soneto em que o poeta declara que sua amada “não é branca como a neve” e que seus olhos não são “nada como o sol”. A composição foi dedicada à misteriosa e polêmica “Dark Lady”, cuja existência real muitos põem em dúvida e outros tantos juram que existiu e que foi famosa prostituta londrina. Saber, saber mesmo, no entanto, nunca ninguém soube. Tudo, a esse propósito, assim como sobre praticamente metade ou mais da vida de Shakespeare, não passa de um big conjunto de hipóteses, conjecturas e suposições.

O livro de Burgess é chato. Não é daqueles que a gente quer ler de um único sopro, da primeira à última página, ávido por chegar ao fim para conferir a conclusão do autor. Longe disso. Burgess usa e abusa de citações, supostamente eruditas, que em vez de esclarecerem qualquer coisa sobre o enredo que trata, apenas nos dá vontade de abandonar a leitura e buscar algo melhor a se fazer. Não estranho, pois, que esse escritor não seja lá muito popular no Brasil. E não é por falta de opções para o leitor. Há catorze livros dele, em português, no mercado (mais propriamente. em sebos) e apenas um único deles pode ser considerado sucesso. E este não é “Nada como o sol”. É “Laranja mecânica”, best-seller em várias partes do mundo, especialmente depois que foi adaptado para o cinema.

Temos, porém, que reconhecer que Burgess teve como virtude a persistência (ou seria teimosia?). Poucos escritores conseguem continuar tentando conquistar o coração e a mente dos leitores como ele fez. Afinal, apenas conseguiu ser reconhecido após a publicação do décimo oitavo livro! E foi, justamente, o “Laranja mecânica”. Não afirmo que suas publicações anteriores se constituíram em fiasco. Contudo... não caíram propriamente no gosto nem da crítica, e nem do público. Outros tantos, no seu lugar, teriam desistido. Burgess, porém, persistiu e emplacou seu perseguido best-seller, digamos, mundial.

Os principais críticos ingleses identificam, no estilo desse persistente escritor, certa influência do irlandês James Joyce. De fato, muita coisa que escreveu lembra, posto que remotamente, o celebrado autor de “Ulysses”. Só não sei se isso conta pontos a seu favor ou se pode ser apontado como defeito. Prefiro não julgar. John Anthony Burgess Wilson nasceu em Manchester, em 25 de fevereiro de 1917. Morreu em Londres em 22 de novembro de 1993. É lembrado pelo livro “Laranja mecânica” e não pelo que me propus a comentar neste espaço (sobre a suposta vida amorosa de Shakespeare): o polêmico e, para mim, inconsistente “Nada como o sol”. Pudera! Ele não acrescenta absolutamente nada na biografia do bardo inglês. Não esclarece coisa alguma. Apenas confunde.

A narrativa de Burgess é dividida em duas partes bem demarcadas. Na primeira, trata da vida de Shakespeare, desde a adolescência, em Stratford-Upon-Avon, até que o dramaturgo completou 23 anos de idade. Ou seja, de 1582 a 1591. Na segunda, de 1592 a 1599, aborda sua trajetória em Londres, quando atuou como ator e escreveu suas célebres peças. E por que contesto a veracidade da maior parte das suas “informações” (na verdade, conjeturas)? Por ausência de documentação a propósito. A grande frustração dos pesquisadores de Shakespeare é a completa falta de referências confiáveis, documentais, de dois períodos de sua vida. Somados, eles perfazem onze anos. É muita coisa, se levarmos em conta que ele viveu 52 anos. Essa época é conhecida como “os anos perdidos”. Abrange os períodos entre 1578 e 1582 e 1585 e 1592.

Muita coisa, portanto, se não a totalidade, das supostas aventuras amorosas de Shakespeare, relatadas por Burgess é produto, exclusivamente, de pura imaginação. O autor admitiu que muitas de suas conclusões (quanto?) tiveram como base a obra poética do bardo inglês. Ora, ora, ora. Li, há algum tempo, que ele teria confidenciado que escreveu seu livro por “gostar demais” do seu personagem. Teria acrescentado que fez isso para “humanizar” Shakespeare e pôr fim à sua praticamente “beatificação”. Ora, ora, ora. Para isso, retratou-o como tarado, dissoluto, bissexual, amante traído e outros quetais?! E tudo isso sem provas?! Que o bardo inglês não foi nenhum “santo” é óbvio. Ninguém é. Mas daí a lançar as suspeitas que Burgess lançou sobre a reputação do dramaturgo é demais.

Shakespeare, se estivesse vivo, e se lesse o livro, escrito por quem alegava “gostar dele”, provavelmente diria o seguinte (que colocou na boca de um de seus tantos personagens de uma de suas peças):

“Você diz que ama a chuva, mas você abre seu guarda-chuva quando chove. Você diz que ama o sol, mas você procura um ponto de sombra quando o sol brilha. Você diz que ama o vento, mas você fecha as janelas quando o vento sopra. É por isso que eu tenho medo. Você também diz que me ama”. Este trecho cabe ou não cabe a caráter neste caso? Claro que sim!


Acompanhe-me pelo twitter: @bondaczuk 

Monday, August 31, 2015

Determinada escola particular paulista (que prefiro não identificar, por não haver sido autorizado a tal), constatou, tempo atrás, que oitenta por cento dos alunos que haviam se matriculado na 1ª série do colegial eram incapazes de entender sequer as instruções contidas num desses tantos manuais que acompanham os vários aparelhos eletrônicos vendidos no comércio. É verdade que os textos destes não são nenhum primor de clareza. Mas a cifra é elevadíssima para quem estudou nove anos (isso se não repetiu nenhuma vez) e, pelo visto, não aprendeu praticamente nada. Como esperar que essas pessoas entendam complexos conceitos expostos pelos grandes pensadores? Certamente, não entendem. O pior é quando se metem a opinar sobre questões das quais não têm a menor noção. E são inúmeros os que opinam, sem nenhum fundamento, principalmente nas redes sociais.. Infelizmente, muita gente que passa por erudita, com vários títulos acadêmicos e diplomas de pós-graduação, tem nível baixíssimo de compreensão do que lê. Muitos (muitíssimos) não conseguem redigir um texto simples, de apenas uma página, em que se expressem pelo menos com coerência. Não estou considerando, sequer, a correção da linguagem. O que esperar dessa gente? Sei lá!!!

@@@@@@@@@@

Livros que recomendo:

“Balbúrdia Literária”José Paulo Lanyi – Contato: jplanyi@gmail.com
“A Passagem dos Cometas” – Edir Araújo – Contato: edir-araujo@hotmail.com
“Aprendizagem pelo Avesso” Quinita Ribeiro Sampaio – Contato: ponteseditores@ponteseditores.com.br
“Um dia como outro qualquer” – Fernando Yanmar Narciso.  

O que comprar:

Cronos e Narciso (crônicas, Editora Barauna, 110 páginas) – “Nessa época do eterno presente, em que tudo é reduzido à exaustão dos momentos, este livro de Pedro J. Bondaczuk reaviva a fome de transcendência! (Nei Duclós, escritor e jornalista).Preço: R$ 23,90.

Lance fatal (contos, Editora Barauna, 73 páginas) – Um lance, uma única e solitária jogada, pode decidir uma partida e até um campeonato, uma Copa do Mundo. Assim como no jogo – seja de futebol ou de qualquer outro esporte – uma determinada ação, dependendo das circunstâncias, decide uma vida. Esta é a mensagem implícita nos quatro instigantes contos de Pedro J. Bondaczuk neste pequeno grande livro.Preço: R$ 20,90.

Como comprar:

Pela internetWWW.editorabarauna.com.br – Acessar o link “Como comprar” e seguir as instruções.
Em livraria Em qualquer loja da rede de livrarias Cultura espalhadas pelo País

Acompanhe-me pelo twitter: @bondaczuk.         


Ultimatos dos terroristas



Pedro J. Bondaczuk


O grupo terrorista Jihad Islâmica, que no dia 17 passado mandou um duro recado às autoridades norte-americanas e ao emirado do Kuwait, deu, ontem, sua assinatura numa tentativa de morte do xeque kuwaitiano, Jaber al Ahmad al Jaber.

Atrevidamente, após a explosão de uma bomba nesse país do Golfo Pérsico, que feriu, sem muita gravidade, o monarca, esclareceu que o ataque era mero lembrete. Assegurou que se tratava de um complemento prático da ameaça feita na semana passada.

O Kuwait mantém presos 17 terroristas do Jihad, que o grupo deseja soltar a qualquer preço. E na exigência feita pelos extremistas, no dia 17 passado, eles garantiram que a recusa kuwaitiana de soltar os seus asseclas iria resultar em “um inferno para seus conselheiros e embaixadores, em todo o mundo”.

Na oportunidade, a propósito de aviso semelhante feito aos Estados Unidos, nós comentávamos, aqui neste espaço, que, conhecendo os antecedentes e o fanatismo dos guerrilheiros, dificilmente as ameaças se tratavam de blefe. E, como se vê, o grupo não estava, de fato, blefando.

Até hoje as autoridades, que têm de se haver com esse tipo de problema, ainda não sabem como fazer para evitar que extremistas cumpram ameaças desse tipo. A maioria dos governos tem por princípio jamais negociar com terroristas. Isso ficou bem claro, em relação aos Estados Unidos, no discurso que o secretário de Estado, George Shultz, proferiu na Sociedade Americana para a Segurança Industrial, na Virgínia, em janeiro passado.

Ele disse, na oportunidade, que, “quando a intimidação terrorista consegue mudar nossas diretrizes políticas e forçar o fechamento de nossas empresas no Exterior, estamos dando a eles uma vitória. Isso só pode contribuir para o aumento do terrorismo”.

Então, o que fazer? Porque de prático, de realmente efetivo, nada, ainda, foi feito, até hoje, contra grupos que realmente têm expressão. O governo italiano, por exemplo, recusou-se a negociar com as Brigadas Vermelhas em 1978, no caso do seqüestro do primeiro-ministro Aldo Moro, ocorrido em 16 de março daquele ano.

E o que aconteceu? Algum policial localizou os brigadistas e resgatou o premier? Todos sabem que não. Moro acabou sendo encontrado morto, em 9 de maio daquele ano. Valeu a pena o sacrifício de uma vida tão preciosa, quanto era a desse eminente professor de Direito Penal, um dos políticos de maior projeção da Itália? É claro que não! Então, o que deve ser feito?

Apelar para os sentimentos de justiça e de moral dos extremistas, como fez o papa João Paulo II, em Ayacucho, no Peru, no dia 3 de fevereiro deste ano, também é contraproducente. Dirigindo-se aos guerrilheiros do grupo Sendero Luminoso, naquela oportunidade, o Sumo Pontífice advertiu: “O mal jamais é o caminho para se chegar ao bem. Vocês não podem destruir a vida de seus irmãos. Não podem continuar a semear o pânico entre as mães, esposas e filhos. Vocês não podem continuar a intimidar os idosos. A lógica cruel da violência não conduz a parte alguma”.

A resposta do Sendero foi um blecaute em Lima, na hora em que o avião do Papa pousava, colocando a sua vida em perigo. No discurso mencionado acima, de George Shultz, o secretário de Estado deu uma receita, em tese eficaz, para combater o terror. “No correr dos anos, a experiência nos ensinou que um dos melhores fatores de dissuasão do terrorismo é a certeza de que serão adotadas medidas rápidas e seguras contra os que realizam ações terroristas”, afirmou.

Mas é aí que reside o âmago da questão. Até hoje, nenhuma providência foi tomada nesse sentido, nem segura e muito menos rápida. Sentindo-se impunes (e, virtualmente eles estão), os terroristas chegam ao cúmulo do atrevimento de ameaçar até o governo de uma superpotência, como são os Estados Unidos. Imaginem se um dia eles tiverem condições de fazer uma chantagem nuclear! Dá arrepios só de pensar o que pode acontecer!

(Artigo publicado na página 19, Internacional, do Correio Popular, em 26 de maio de 1985).

          

Acompanhe-me pelo twitter: @bondaczuk     
Biógrafos e biografias

Pedro J. Bondaczuk

As biografias refletem com fidelidade a vida dos biografados? Antes de responder, o leitor atento certamente irá ponderar: depende do biógrafo. Como em tudo o que se faz na vida, há os competentes e os nem tanto. Há os honestos que se apegam ferrenhamente à verdade e a buscam obsessivamente e os que não têm essa preocupação. E vai por aí afora. Da minha parte, eu responderia a essa pergunta com enfático e sonoro “não”!!!

Não se trata de questionar competência e honestidade do biógrafo. Mas a lógica me diz que é impossível relatar, com absoluta fidelidade, uma vida, e que nem precisa ser tão longa, em, digamos, 300 ou 400 páginas. E nem mesmo em milhares delas. Sequer quem redige autobiografias consegue essa façanha, não, pelo menos, com absoluta fidelidade aos fatos. Ora interpreta os episódios mais polêmicos invariavelmente pelo aspecto mais favorável, deixando-se levar pela vaidade. Ora é autocrítico além da conta.

Estas considerações vêm a propósito do livro “Nada como o sol”, do britânico Anthony Burgess. Para ser preciso, devo destacar que não se trata, propriamente, de uma biografia. É um romance, em que o autor de “Laranja mecânica” se propõe a relatar a vida amorosa de William Shakespeare. O autor assegurou que seu relato, romanceado, baseou-se em fontes históricas. Só não convence o crítico sobre quais são tais referências, que nenhum estudioso sério da vida do bardo inglês nunca encontrou e qual sua veracidade e credibilidade. Há quem goste da sua narrativa e até a aceite como lídima expressão da verdade. Eu não!

Não sou o único (longe disso) a acreditar que biografias nunca relatam com fidelidade a vida dos biografados. Há quem reverencie exageradamente a figura sobre a qual escrevem a ponto de santificá-la. Óbvio que ninguém é santo. Todos temos (uns mais e outros menos) nossos “esqueletos no armário”. No outro extremo, há os que a demonize e busque o que há de escabroso e ruim na vida do biografado, os que não têm o menor escrúpulo em destruir sua imagem. Se não encontram nada de desabonador, inventam. Claro que há os ponderados, os equilibrados, os honestos. Mas como distingui-los?

George Bernard Shaw escreveu a propósito: “Ao ler uma biografia, recordai que a verdade nunca se presta a publicação”. Acaso se presta? É sempre o aspecto mais interessante da vida do biografado? É capaz de despertar o interesse e de prender a atenção do leitor, promovendo, destarte, grande venda do livro? Dificilmente. Mas não foi somente Shaw que revelou seu ceticismo a propósito. Outro escritor, que sempre primou pelo humor ácido e implacável, o norte-americano Samuel Clemens, que se consagrou com o pseudônimo Mark Twain, igualmente mostrou-se descrente a respeito desse tipo de literatura. Escreveu: “As biografias são apenas as roupas e os botões da pessoa. A vida da própria pessoa não pode ser escrita”. É exatamente o que penso, afirmo e reitero. Daí não embarcar na onda das várias biografias de William Shakespeare. Prefiro saborear e valorizar sua obra.

Em vez de dar crédito a determinados “biógrafos”, que especulam com uma suposta relação homossexual do bardo inglês, por exemplo, com base, somente, na desastrosa interpretação de um de seus poemas, prefiro deliciar-me com pérolas de sabedoria e de sensibilidade, como esta, do “Soneto 116”:

“De almas sinceras a união sincera.
Nada há que impeça: amor não é amor.
Se quando encontra obstáculos se altera,
ou se vacila ao mínimo temor.

Amor é um marco eterno, dominante,
que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante,
cujo valor se ignora, lá na altura.

Amor não teme o tempo, muito embora
seu alfange não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,
antes se afirma para a eternidade.

Se isso é falso, e que é falso alguém provou,
eu não sou poeta, e ninguém nunca amou”.

Infelizmente, não consegui apurar quem foi o tradutor dessa maravilha. Quanto ao livro de Burgess, tenho alguns comentários a fazer, o que farei oportunamente. Adianto, porém, que a impressão que ele me deixou dá razão ao humorista peruano Sofocleto (pseudônimo de Luís Felipe Angell), que sentenciou: “Os biógrafos e os abutres alimentam-se de cadáveres”. Para não generalizar, eu acrescentaria: mas há exceções (posto que não muitas). Nada como os humoristas para rasgos de sinceridade. Afinal, é rindo, é em tom de galhofa e de brincadeira, que se dizem as grandes verdades.


Acompanhe-me pelo twiutter: @bondaczuk 

Sunday, August 30, 2015

Não raro, passamos uma vida toda lendo compulsivamente e, no entanto, não aprendemos a ler. Somos incapazes, por exemplo, de captar sutilezas nos textos dos bons autores. Não interpretamos, como eles pretendiam, a fina ironia que utilizaram. Não captamos o que ficou, apenas, inteligentemente nas entrelinhas. Um dos maiores gênios da literatura mundial, o alemão Johann Wolfgang von Goethe, escreveu a esse respeito: “Muitos não sabem quanto tempo e fadiga custa a aprender a ler. Trabalhei nisso 80 anos e não posso dizer que o tenha conseguido”. E isso foi escrito por um dos escritores mais completos, mais sábios e mais argutos que já existiram. Ler, apenas por ler, não basta. É indispensável que a leitura seja acompanhada de estudo, de reflexão, de comparações e de extrapolações. “Mas isso dá muito trabalho”, dirão os acomodados. Todavia, se não agirmos assim, poderemos viver uma centena de anos, dedicar oitenta deles à leitura, ler dez mil livros ou mais e, ainda assim, seremos, no fundo, no fundo, analfabetos funcionais, posto que eruditos.


@@@@@@@@

Livros que recomendo:

“Balbúrdia Literária”José Paulo Lanyi – Contato: jplanyi@gmail.com
“A Passagem dos Cometas” – Edir Araújo – Contato: edir-araujo@hotmail.com
“Aprendizagem pelo Avesso”Quinita Ribeiro Sampaio – Contato: ponteseditores@ponteseditores.com.br
“Um dia como outro qualquer” – Fernando Yanmar Narciso.  

O que comprar:

Cronos e Narciso (crônicas, Editora Barauna, 110 páginas) – “Nessa época do eterno presente, em que tudo é reduzido à exaustão dos momentos, este livro de Pedro J. Bondaczuk reaviva a fome de transcendência! (Nei Duclós, escritor e jornalista).Preço: R$ 23,90.

Lance fatal (contos, Editora Barauna, 73 páginas) – Um lance, uma única e solitária jogada, pode decidir uma partida e até um campeonato, uma Copa do Mundo. Assim como no jogo – seja de futebol ou de qualquer outro esporte – uma determinada ação, dependendo das circunstâncias, decide uma vida. Esta é a mensagem implícita nos quatro instigantes contos de Pedro J. Bondaczuk neste pequeno grande livro.Preço: R$ 20,90.

Como comprar:

Pela internetWWW.editorabarauna.com.br – Acessar o link “Como comprar” e seguir as instruções.
Em livraria Em qualquer loja da rede de livrarias Cultura espalhadas pelo País.        

Acompanhe-me pelo twitter: @bondaczuk  

Num passo de caranguejo


Pedro J. Bondaczuk


O Brasil foi colocado, ao lado do Chile, Ghana, Jamaica e Peru, como um dos países onde o nível de miséria mais aumentou, no período de 1983 e 1984, num relatório divulgado ontem, pelo Banco Mundial, em que o organismo faz uma análise da economia em nível planetário.

Embora os dados que a instituição possui sejam de 4 anos atrás, a situação não se alterou, em absoluto, para melhor. Pelo contrário (e qualquer brasileiro pode constatar por sua própria vida pessoal), ocorreu uma degradação ainda maior, mormente agora, em 1988.

Vivendo aqui, conhecendo a fertilidade do nosso solo e a laboriosidade da nossa gente, ficamos indagando, com nossos botões: “Por que estamos caminhando para trás, na direção do abismo, quando temos tudo para ser uma sociedade próspera e harmoniosa?”.

Em março do ano passado, o advogado Antonio Cláudio Mariz também demonstrou idêntica perplexidade e igual revolta pelo que está nos acontecendo. Disse, à agência “O Estado”: “A fecundidade da terra, as riquezas minerais que o País possui, a força de trabalho a ser desenvolvida na indústria e nas demais atividades produtivas, tornam inconcebível, inaceitável, vergonhoso e absurdo o estado de carência de significativas parcelas da população”.

O pior de tudo é que alguns “iluminados” de Brasília, vivendo numa autêntica “ilha da fantasia”, desvinculados da realidade, não estão enxergando isto, que no Exterior é patente para todos. Caso não fosse, o número de emigrações (legais ou clandestinas), numa quantidade impressionante, a tal ponto da Casa da Moeda sequer vencer em emitir passaportes, seria um bom indicativo de que algo de podre existe no reino da mamata, parodiando Shakespeare.

É evidente que essa “capital da alienação” citada é o Planalto Central. Ali, fala-se de tudo, menos de como evitar esse estado de miserabilidade, que nos humilha e atormenta a todos, até aos ricos – a riqueza, afinal, não é nenhum pecado. Ser próspero, num país onde a maioria também é, tem um significado. Mas possui outro, bem diferente, num lugar onde a miséria campeia.

No Exterior, essa pessoa, procedente de um país carente, nunca é vista com bons olhos, mesmo não tendo nada a dever a ninguém. Todos, portanto, temos que unir esforços para acabar com essa situação vexatória e angustiante, que está se agravando a cada dia que passa, se transformando numa perigosa bomba de tempo de insatisfação social e que pode trazer conseqüências muito sérias se um dia vier a explodir incontrolavelmente.

O caminho, cabe às lideranças políticas nacionais (tão desprestigiadas) indicar. Antes, elas têm que deixar de lado seu inconseqüente e estúpido carreirismo de hoje e pensar um pouco mais no amanhã. Ou seja, deixar de plantar a couve para o prato de hoje, para plantar o carvalho, para a sombra de amanhã.

(Artigo publicado na página 10, Internacional, do Correio Popular, em 8 de julho de 1988).


 Acompanhe-me pelo twitter: @bondaczuk         
Coragem ou covardia, eis a questão

Pedro J. Bondaczuk

O célebre monólogo criado por William Shakespeare no ato 3, cena 1 da peça “A trágica história de Hamlet, príncipe da Dinamarca”, pode ser interpretado como bilhete de um suicida, embora não seja este, a rigor, o contexto imaginado pelo autor. O principal personagem desse drama cogita claramente dessa saída para seus problemas, o que fica explícito neste trecho da sua fala:

“(...) Pois quem suportaria o açoite
e os insultos do mundo,
A afronta do opressor, o desdém do orgulhoso,
As pontadas do amor humilhado,
as delongas da lei,
A prepotência do mando, e o achincalhe
Que o mérito paciente recebe dos inúteis,
Podendo, ele próprio, encontrar seu repouso
Com um simples punhal? (...)”.

Após a leitura desse trecho específico, emerge, automática e instintivamente esta pergunta em nossa mente: “Se o príncipe acha intoleráveis ‘o insulto do mundo, a afronta do opressor, o desdém do orgulhoso, o amor humilhado, as delongas da lei, a prepotência do mando e o achincalhe dos inúteis’, por que não recorreu ao expediente que entendeu ser a solução para todos esses males: o punhal?” No enredo, foi por medo, por puro medo. Pelo temor da incerteza do desconhecido. Pela desconfiança de que a morte não seria, ou poderia não ser, o fim de tudo e que ela poderia até mesmo reservar sofrimentos e humilhações muito maiores do que os suportados em vida. É o que o príncipe diz na sequência do monólogo:

“ (...) Quem agüentaria fardos,
Gemendo e suando numa vida servil,
Senão, porque o terror de alguma
coisa após a morte -
O país não descoberto, de cujos confins
Jamais voltou nenhum viajante
nos confunde a vontade,
Nos faz preferir e suportar males que já temos,
A fugirmos para outros que desconhecemos? (...)”

A conclusão do desesperado príncipe vai contra a do senso comum. Conclui: “E assim a reflexão faz todos nós covardes”. Mas seria, mesmo, covardia buscar soluções menos radicais para os problemas que nos assoberbam, não importa quais e nem sua intensidade ou se trataria de atitude inteligente e de bom senso? A avaliação do mundo, feita pelo personagem, é sumamente pessimista. Ele fala como se todos os males que elenca sejam incontornáveis e se “todos nós” passaríamos por eles em algum momento da vida. Eles podem ocorrer (e ocorrem), sim, mas vez ou outra. Mas raramente vêm de forma simultânea. Dependem das circunstâncias de cada um.

Qual a atitude que poderia ser classificada de covardia: enfrentar os males e vicissitudes, mesmo em desvantagem, ou fugir deles, e da própria vida, ainda mais sem saber se há ou não um “depois” e, se houver, qual ele é? O suicídio é um dos temas mais delicados e mais complicados de se julgar. Alguém só recorre a ele em momentos de extremo desespero. O que a pessoa que cogita dessa atitude precisa não é de críticas, de sermões e muito menos de julgamentos. Requer compreensão e imediata e urgente ajuda. Não raro esta chega (quando chega) muito tarde. Com todo o medo que o suicida possa sentir do desconhecido (e certamente sente), é preciso muita sabedoria, paciência e bom senso para demovê-lo.

Uma das coisas que mais me orgulho na vida é a de haver contribuído para que uma pessoa, no mais absoluto desespero, escapasse de morrer pelas próprias mãos como se preparava para fazer e desistisse, em cima da hora, de optar por esse trágico caminho. Não foi a inteligência que contou nesse dramático episódio. Foi a instintiva sensibilidade que brotou nem sei de onde do meu corpo e “contaminou” o potencial suicida, já que palavras bonitas e pomposas, conselhos óbvios, críticas de quaisquer natureza, reprimendas etc.etc.etc. são rigorosamente inúteis em situações como esta.

Discordo, pois, visceralmente da conclusão final do príncipe, ao cabo de seu desesperado monólogo:

“(...) E assim o matiz natural da decisão
Se transforma no doentio pálido do pensamento.
E empreitadas de vigor e coragem,
Refletidas demais, saem de seu caminho,
Perdem o nome de ação (...)".

Essa é a típica situação em que não agir é o melhor caminho. E não, especificamente, pelo temor do desconhecido (no caso, da morte), até porque esta fatalmente virá, algum dia, no seu devido tempo, sem aviso e sem ser pelas próprias mãos. Ao contrário da conclusão de Hamlet, viver é que é o supremo ato de coragem, e não o contrário. “Ser” é a audaciosa opção, posto que jamais sabemos até quando será possível. Temos, todos, “prazo de validade”, que desconhecemos qual é. O monólogo comporta outras interpretações, mas creio que estas que trouxe á baila já são suficientes para nos induzir a profundas e sempre proveitosas reflexões. Ou não?!!!


Acompanhe-me pelo twitter: @bondaczuk 

Saturday, August 29, 2015

O escritor estabelece cumplicidade com seus leitores. Trata-se de afirmação até acaciana, de tão óbvia, mas que muitos não se dão conta. Isso ocorre à sua revelia, pois ele não tem a menor noção de quem irá ler o que escreve e, por conseqüência, por quem irá se identificar com seu teor. É mais correto dizer, pois, que quem lê é que vê naquele que escreve o seu cúmplice, não o vice-versa  Não é o escritor que escolhe o leitor (antes fosse), mas é exatamente o contrário. Da minha parte, escolho os autores que pensam mais ou menos o que penso e que, sobretudo, têm o que me acrescentar, em termos de informações, emoções e reflexões. Essa cumplicidade, esclareça-se, não é física. Raramente escritor e leitores se conhecem pessoalmente. Ela é sentimental, afetiva, diria anímica. E costuma durar para sempre.


@@@@@@@@

Livros que recomendo:

“Balbúrdia Literária”José Paulo Lanyi – Contato: jplanyi@gmail.com
“A Passagem dos Cometas” – Edir Araújo – Contato: edir-araujo@hotmail.com
“Aprendizagem pelo Avesso”Quinita Ribeiro Sampaio – Contato: ponteseditores@ponteseditores.com.br
“Um dia como outro qualquer” – Fernando Yanmar Narciso.  

O que comprar:

Cronos e Narciso (crônicas, Editora Barauna, 110 páginas) – “Nessa época do eterno presente, em que tudo é reduzido à exaustão dos momentos, este livro de Pedro J. Bondaczuk reaviva a fome de transcendência! (Nei Duclós, escritor e jornalista).Preço: R$ 23,90.

Lance fatal (contos, Editora Barauna, 73 páginas) – Um lance, uma única e solitária jogada, pode decidir uma partida e até um campeonato, uma Copa do Mundo. Assim como no jogo – seja de futebol ou de qualquer outro esporte – uma determinada ação, dependendo das circunstâncias, decide uma vida. Esta é a mensagem implícita nos quatro instigantes contos de Pedro J. Bondaczuk neste pequeno grande livro.Preço: R$ 20,90.

Como comprar:

Pela internetWWW.editorabarauna.com.br – Acessar o link “Como comprar” e seguir as instruções.
Em livraria Em qualquer loja da rede de livrarias Cultura espalhadas pelo País.

Acompanhe-me pelo twitter: @bondaczuk         

Assuntos não irão faltar


Pedro J. Bondaczuk


Os rumores que circulavam insistentemente há alguns dias, de que ocorreria uma reunião de cúpula entre os presidentes George Bush, dos Estados Unidos, e Mikhail Gorbachev, da União Soviética, ainda no corrente ano, se confirmaram ontem. Ambos vão se encontrar, no próximo mês, a bordo de navios de guerra de seus países, no Mar Mediterrâneo.

Logicamente, os diálogos deverão ocorrer alternadamente, um visitando a embarcação um do outro. Para que não se criem expectativas exageradas em torno desse encontro, a Casa Branca já avisou que ele terá um caráter absolutamente informal. Que a intenção não é a de se obter qualquer acordo, ou se assinar algum eventual tratado.

Para isso, há uma outra cúpula prevista para maio ou junho de 1990, quando algum profundo corte nos arsenais nucleares das superpotências deverá certamente ocorrer.

Bush afirmou, ontem, que a razão desse diálogo imprevisto, ainda no corrente ano, é a de travar conhecimento com seu interlocutor. Certamente o presidente norte-americano tentará sondar o quanto há de sinceridade nas manifestadas intenções de Gorbachev de liberalizar o Leste europeu.

Temas como as reformas políticas e econômicas na Polônia e na Hungria, certamente serão obrigatórios. Na oportunidade, o presidente norte-americano aproveitará para conferir o quanto há de verdade nas notícias procedentes de Moscou de que o Cremlin não se oporia à eventual reunificação das duas Alemanhas e à retirada húngara do Pacto de Varsóvia.

Enfim, quando se trata de uma conversa entre os dois homens mais poderosos do Planeta, chefes de governos dos dois únicos países cujas decisões realmente contam alguma coisa na ordem geral dos acontecimentos, assuntos, certamente, não faltam. Mesmo tratando-se de uma reunião dita informal.

Alguns temas que outrora pontilharam no topo das pautas das cúpulas anteriores, agora perderam sua importância, superados que foram pelos acontecimentos. Um deles era o Afeganistão, que hoje, após a retirada soviética de fevereiro passado, caiu no ostracismo, embora esse país permaneça em guerra.

Aliás, desde que as superpotências começaram a se entender, vários problemas tidos outrora como quase insolúveis foram solucionados, como que num passe de mágica. Outros, se não foram resolvidos, pelo menos não evoluíram negativamente.

Bush certamente está de olho no promissor mercado do Leste europeu. Gorbachev, por seu lado, certamente deseja atrair capitais que financiem a sua “perestroika”. Como se nota, tratam-se de interesses que se completam. Por isso, mesmo sendo uma reunião informal, a cúpula prevista para dentro de 31 dias está fadada a trazer muitas novidades.

(Artigo publicado na página 13, Internacional, do Correio Popular, em 1 de novembro de 1989).


Acompanhe-me pelo twitter: @bondaczuk