Monday, June 30, 2008

REFLEXÃO DO DIA


Deveríamos “visitar-nos” com mais freqüência, se possível diariamente. Deveríamos penetrar em nosso íntimo e conferir o que, de fato, somos, pensamos e queremos. Raros são os que fazem esse saudável exercício. Por isso, não se conhecem. Manda a prudência que façamos balanço permanente dos nossos pensamentos e sentimentos e que renovemos, dia a dia, o “estoque” de idéias, descartando as ineficazes e colhendo, onde for possível, as nobres, positivas e construtivas. O ato de escrever proporciona essa oportunidade. É uma responsabilidade imensa esse exercício de registrar conceitos e emoções para transmitir ao próximo. Afinal, o texto tende a nos sobreviver não raro por séculos e até milênios após nossa morte. Pode tanto testemunhar a nosso favor, quanto depor contra nós. Fernando Pessoa define desta forma o ato de escrever: “Quando escrevo, visito-me solenemente”. Que tal nos “visitarmos” sempre, com ou sem solenidade?

Culto da velocidade


Pedro J. Bondaczuk


A velocidade é um dos paradigmas do nosso tempo. Tudo tem que ser mais veloz: os veículos, os computadores, o raciocínio e as reações humanas etc.etc.etc. Há pouco tempo, por exemplo, julgava-se impossível que algum atleta rompesse a barreira dos dez segundos para a distância dos 100 metros rasos. Hoje, essa marca já é coisa do passado e, no andar da carruagem, até a metade deste século, a dos nove segundos também ficará para trás.
O mesmo ocorre para outras distâncias, em que recordes são batidos, sucessivamente, de uma competição para outra. Situação igual se verifica não somente em terra, mas também na água, nas piscinas. E no automobilismo, os carros atuais só faltam voar. Chegam, em algumas ocasiões, a passar dos 300 quilômetros por hora, sem que isso cause mais espanto a ninguém. Tornou-se normal e corriqueiro. Velocidade, portanto, é a grande meta humana em todos os campos de atividade. Velocidade e superação.
Vivemos, como se vê, numa época caracterizada pela pressa. Tudo tem que ser feito correndo, como se o mundo fosse se acabar no minuto seguinte. Assumimos mais compromissos do que nossa capacidade de cumpri-los e nos privamos até dos prazeres simples da vida, como o de beijar nosso filho, todas as noites, antes dele dormir.
Parece exagero meu, mas quem refletir só um pouquinho sobre seu cotidiano, verá que não é. Queremos viver duas vidas numa só e acabamos não vivendo, com prazer e dignidade, nenhuma. O pior é que o tempo que achamos que ganhamos, com a correria, é desperdiçado, de forma banal e boba, em conversas vazias que nada nos acrescentam, ou em barzinhos da moda, que mais nos dão tédio do que nos divertem.
Quando realizamos alguma obra reconhecidamente meritória, nossa tendência natural, até instintiva, é a do relaxamento. Queremos o sucesso imediato a qualquer custo. E quando o conseguimos, nos acomodamos. No íntimo, mesmo que não confessemos a ninguém, julgamos que cumprimos nosso papel no mundo e nos esquecemos da imensidão de coisas que precisam ser feitas por alguém.
Acreditamos ter esgotado nossa capacidade em apenas uma, duas, dez, cem ou mil obras, não importa. Todavia, nosso potencial de realização é infinito e o mundo nos desafia, amiúde, a desenvolvê-lo ao seu limite, para satisfação pessoal e bem-estar da coletividade. O que já foi feito é o que menos importa. Importa o que ainda há por fazer. Por que não tentar? Por que já nos sentimos desobrigados? Isso significa omissão.
Além da pressa, nem sempre (ou quase nunca) justificável ou, principalmente, por causa dela, vivemos cercados de perigos, do despertar até a hora de deitar para dormir outra vez. É como se caminhássemos constantemente por um campo minado, sem sequer nos darmos conta. Por isso, a cada dia que terminamos incólumes, temos que agradecer a Deus por esse privilégio.
Contudo, se estamos expostos a perigos, trata-se de um bom sinal. Indica que não estamos fugindo da vida, nos escondendo (covarde, mas inutilmente) para preservar nossa integridade física e/ou mental. Claro que devemos nos prevenir, sobretudo, dos riscos inúteis e desnecessários. Mas há situações que não comportam prevenção. Temos de enfrentá-las, atentos, e superá-las com inteligência e habilidade.
Ressalto que não sou contra a velocidade, desde que se atente para a segurança. Não me oponho à pressa, mas sim à afobação, à afoiteza, à correria desenfreada e louca, como um estouro de manada. Podemos agir com rapidez, desde que tenhamos método, organização e saibamos para onde e como ir. E, principalmente, que tenhamos o bom-senso de aproveitar devidamente o tempo que conquistarmos.
Embora não seja contrário à velocidade (com segurança) e à pressa (com método), destaco a necessidade de cultivo da paciência, virtude de pessoas muito especiais, atributo dos santos, que é, muitas vezes, confundida com preguiça. Uma caracteriza-se por saber esperar, tanto para agir, quanto para colher os frutos dessa ação. Outra é a inação, a espera que os outros façam por nós o que deveria ser da nossa competência. É o não fazer.
Para entendermos as vantagens de sermos pacientes, basta observar a natureza. Tudo nela tem o seu tempo certo: o de arar, o de semear, o de impedir que as ervas daninhas sufoquem as sementes e o de colher. E o suceder das estações? Nunca o verão vem antes do inverno. Ou a primavera antecede o outono. Há um ciclo ordenado na natureza. Tempo certo para tudo. No caso do plantio, qualquer tentativa de pular uma das etapas pode arruinar toda uma lavoura e pôr a perder o trabalho despendido. O mesmo ocorre na vida. O apressadinho corre o risco de ficar sem colheita. Compete-nos combinar pressa com paciência, mas na dose rigorosamente exata, sem mais e nem menos de qualquer desses ingredientes. É dessa combinação sensata, creiam, que nasce o sucesso.

Sunday, June 29, 2008

REFLEXÃO DO DIA


Não raro lamentamos obstáculos e dificuldades que temos que enfrentar durante a vida e lhes atribuímos eventuais fracassos, o que é um álibi sem nenhuma consistência. A atitude mais correta é a de considerarmos esses “acidentes de percurso” como privilégios, pois se tratam de desafios a vencer e que, superados, valorizam nossas conquistas. Mesmo que não venhamos a nos dar conta, temos forças físicas e/ou mentais para superar qualquer barreira. Para isso, fomos dotados de inteligência. Obstáculos e dificuldades são testes aos nossos limites, que nunca sabemos, a priori, quais são. O filósofo Epicuro já dizia, há vários séculos antes de Cristo: “Os grandes navegadores devem sua reputação aos temporais e tempestades”. Se não os superassem, não só não fariam as grandes descobertas que fizeram, como morreriam e seriam esquecidos, para todo o sempre, como se sequer existissem.

DIRETO DO ARQUIVO


Liberais comprometem-se com mudanças


Pedro J. Bondaczuk



A fragorosa derrota do Partido Conservador colombiano nas eleições presidenciais de anteontem, ao contrário do que possa parecer, não foi apenas uma eventual manifestação de repúdio ao governo de Belisário Betancur, embora este tivesse tomado, no correr do seu mandato, algumas atitudes controvertidas e de falta de sensibilidade política. Foi, antes de tudo, a consumação de uma antiga exigência do eleitorado, visando a acabar com o sistema de coligações vigente há quase trinta anos na Colômbia. Em outras palavras, constituiu-se na vitória da tese mudancista, pregada por Virgílio Barco Vargas, um milionário, de 65 anos, ligado à indústria petrolífera.

Além de terem desprezado ostensivamente o seu adversário no correr da campanha, os conservadores cometeram outro erro capital entre tantos. Escolheram para candidato um político já derrotado em outras oportunidades e que, portanto, nunca teve um grande apoio popular. Além disso, o seu representante pregava uma tese diametralmente oposta à do presidente que o apoiava, Belisário Betancur, e exatamente num dos pontos considerados nevrálgicos da atualidade colombiana: a pacificação nacional.

Enquanto o governante no poder empenhava todo o seu prestígio político para obter uma trégua duradoura com a guerrilha e a reincorporação desses rebeldes ao processo democrático, Álvaro Gomez Hurtado, filho de um ex-presidente e com idéias absolutamente incompatíveis com o momento presente do país, se opunha à iniciativa. Usava, em seu favor, o argumento do ataque realizado no ano passado pelo Movimento 19 de Abril ao Palácio da Justiça de Bogotá, que redundou na morte de uma centena de pessoas, entre as quais a metade da Corte Suprema do país, ou seja, onze juízes.

Não foi muito difícil para Virgílio Barco explorar o descontentamento do eleitorado para com o governo, já que o sistema anacrônico vigorante nessa República, cristalizando o feudalismo rural e mantendo a maioria da população à margem das conquistas econômicas e sociais, é um imenso "cadinho", onde se desenvolve e se fortalece o vírus da violência, tornada praticamente crônica no país desde a década de 1950.

Bastou que ele apontasse as estatísticas, nuas e cruas, à população, dando conta do desemprego de 14% da mão de obra nacional, de altas taxas de inflação e de elevados contingentes de lavradores sem terra, migrando para as grandes cidades, onde engrossam as gigantescas favelas, que proliferam assustadoramente, para convencer os eleitores.

Entretanto, a vitória de Virgílio Barco, não tanto pelo fato de ter vencido, mas em razão dos números com que ela se configurou, lhe atribui, possivelmente, uma responsabilidade que nenhum outro presidente antecessor jamais teve. Afinal, ele obteve a maior diferença de votos já registrada na história eleitoral colombiana.

Milhões de pessoas deram seu crédito de confiança às suas teses mudancistas, inclusive e principalmente de mudanças na própria e secular estrutura social do país. O candidato liberal, que já havia obtido um triunfo espetacular nas eleições parlamentares de março passado, comandando a campanha do seu partido, se mostrou francamente favorável à aceleração do processo de recondução dos oito mil guerrilheiros (que se estima estejam atualmente em armas na Colômbia) à vida política normal no país.

Não se sabe, todavia, o que ele terá para oferecer aos que aceitarem abandonar a contestação violenta para se sentar diante de uma mesma mesa de diálogo. Desconhece-se, por outro lado, se Barco tentará trazer de volta às negociações os grupos mais extremados, como o M-19 e o Exército de Libertação Nacional.

Presume-se que sim, pois sem essas duas facções, o processo acabará por se esvaziar de vez. O eleitorado colombiano deu um claro recado nas eleições deste domingo: quer sobretudo as mudanças prometidas em palanque e para já, principalmente o fim do disfarçado bipartidarismo, que no final das contas, caía na existência virtual de um único partido, com os famigerados governos de coalizão, favorecendo negociatas, conchavos e toda a espécie de corrupção. Cumpre ao vencedor providenciar o atendimento dessa exigência.

(Artigo publicado na página 11, Internacional, do Correio Popular, em 27 de maio de 1986)

Saturday, June 28, 2008

REFLEXÃO DO DIA


A História da humanidade, infelizmente, foi escrita com sangue, muito sangue, derramado em nome de ideais supostamente nobres, mas que, na verdade, escondiam interesses inconfessáveis. Daí as contradições do nosso tempo no relacionamento das pessoas. Daí haver tanta cobiça, maldade, violência, ignorância, corrupção e injustiças. E as coisas só não são piores, porque homens generosos e sábios nos legaram idéias, conceitos e valores eternizados pelo tempo. Os pensadores é que deveriam ser exaltados pelos historiadores, não os tiranos, os generais e os semeadores de morte e de destruição. Destruir pessoas e obras nunca foi heroísmo. Victor Hugo (sempre ele!), escreveu, num dos seus tantos e marcantes textos, o que parece o óbvio aos que têm bom-senso, mas que ainda não convenceu os néscios (a maioria):: “As idéias é o que se deve derramar, em vez de sangue, para fecundar os campos em que germina o futuro dos povos”.

Soneto à doce amada - VII


Pedro J. Bondaczuk

Vem, amada, deixa que eu toque ainda
uma vez o veludo do teu rosto,
que eu possa beijar, com ternura infinda,
teus lábios rubros. Ah! grande desgosto!

Sina cruel de vagabundo errante!
Amar-te assim, com toda minha alma,
viver um curto sonho, delirante
e partir, triste, pela via calma!

Vem, amada. Enquanto há tempo, gozemos
nossos últimos alentos, extremos
estertores da evanescente vida.

Quando a morte extinguir-nos a lida,
recordarei o tempo que perdemos
e morrerei, a murmurar: querida...!

(Soneto composto em Campinas, em 16 de julho de 1967).

Friday, June 27, 2008

REFLEXÃO DO DIA


A possibilidade de pensar é das prerrogativas mais nobres que temos e, ao mesmo tempo, é um dever. Compete-nos contribuir para a solução dos grandes problemas que afligem a humanidade. Há, contudo, os que não “querem” pensar, aferrados a pensamentos alheios, que colocam como dogmas. São os fanáticos, que impedem, com sua falta de visão, o progresso dos povos. Há, por outro lado, os que não “podem” exercer essa prerrogativa, por deficiência mental. São os loucos e idiotas, que não têm culpa desses males. Mas não “ousar” pensar é o delito dos delitos. Significa omissão. E o omisso é um parasita, que sempre depende que outros façam o que lhe caberia fazer. O filósofo Francis Bacon define, com precisão, nosso raciocínio, ao escrever: “Quem não quer pensar é fanático; quem não pode pensar, idiota; quem não ousa pensar, um covarde”. Exerçamos, pois, com plenitude essa nobre faculdade de que somos dotados!

Afetos essenciais


Pedro J. Bondaczuk

O escritor mexicano Octávio Paz, ganhador de um Prêmio Nobel de Literatura, trouxe à baila, em um de seus ensaios, um tema instigante, sobre o qual tenho escrito muitos textos, sem que o tenha conseguido elucidar, não pelo menos com a mesma clareza dele (e nem poderia): o dos afetos essenciais que nos movem.
Trata-se do amor que dedicamos à nossa família e à nossa casa, por exemplo. Ou da fidelidade que temos com os amigos, com uma causa que consideremos justa e nobre e com correligionários de um determinado partido ou organização. E também, por que não, a lealdade que manifestamos à nossa pátria (sentimento que está se esfriando em muitas pessoas nesta época de globalização de culturas e de idéias)..
Diz, o eminente escritor, que esses afetos “vêm do começo, reiterações e variações da situação primeira. São a marca de nossa condição original, que não é simples, mas dual, composta de dois termos antagônicos e inseparáveis: fusão e desmembramento. Esse é o princípio constitutivo de cada vida humana e o núcleo de todas as nossas paixões, sentimentos e ações. É um princípio anterior à consciência e à razão, mas é, por isso mesmo, a origem de ambas. Entre sentir-se e saber-se separado há a consciência de nós mesmos: todos damos esse passo e assim chegamos à consciência de nós mesmos”.
Há momentos, porém, em que nos sentimos deslocados no mundo, como se não fôssemos deste lugar. Sentimo-nos como se estivéssemos em um planeta estranho, exilados do nosso local de origem. Quem sabe, não somos, de fato, “estrangeiros” por aqui?
A vida é tão maravilhosa, todavia há tanto sofrimento, tanta insensatez, tanta violência e injustiça ao nosso redor que concluímos que ela não é compreendida pela maioria, em sua essência e grandeza (talvez, e provavelmente, nem por nós). Compete-nos a tarefa, quem sabe inútil, de esclarecer as pessoas e ressaltar-lhes o quão grande é o privilégio de viver. É o que filósofos, poetas, escritores e mestres vêm fazendo desde os primórdios da civilização, com poucos resultados.
Somos dotados de uma certa magia, de algumas peculiaridades que nos distinguem e caracterizam. Encaramos o mundo de forma diferente dos demais, particular, só nossa, com nuances próprias, embora não consigamos expressar essas particularidades em palavras. Enxergamos não somente com os olhos, mas com o corpo (através do tato) e, em especial, a mente, mediante o poderoso instrumento da imaginação.
Daí não ser correto falar em “realidade”, já que não existe uma única, igual para todos. Entendo que essa palavra deve vir sempre no plural. Tudo (embora muitos possam discordar) é questão de ponto de vista. Enxergamos coisas e pessoas sob prismas diferentes dos demais. Podem até ser semelhantes, mas quase nunca (ou talvez nunca mesmo) são iguais.
O tempo cobra-nos duro preço, em termos de desgastes, principalmente físicos, mas também emocionais e afetivos. Olhamo-nos, todos os dias, no espelho, e não notamos as mudanças que ocorrem em nosso rosto. Hoje, uma ruga, amanhã, um cabelo branco, depois, um início de calvície, mas passamos batidos de cada transformação.
Subitamente, certo dia, assim, de repente, sem sabermos porque, notamos, assustados, de uma só vez, essa sucessão de desgastes. E, ao analisarmos nossas idéias e sentimentos, percebemos que também já não são iguais aos de alguns anos atrás. Não mais nos reconhecemos. Descobrimos que somos outros! Isso, porém, não deve nos preocupar, se as mudanças, pelo menos no plano mental, forem para melhor, com o acréscimo da experiência. Mas... e se não forem?
Há certa magia nas pessoas idosas, que passeiam, com passinhos miúdos, despreocupadas, pelas praças das cidades. Ou que se sentam, tranqüilas, nos bancos dos jardins, para ler os jornais, como se tivessem todo o tempo do mundo ao seu dispor. Ou que gastam, horas e horas, alimentando pombos.
Há raios de esperança brotando, como chispas, de seus olhos, a despeito da consciência de estarem no fim. Apesar de, no íntimo, saberem disso, ainda esperam alguma coisa. O que? Nem eles, talvez, saibam. Mas esperam. Nisso reside o encanto da vida. Na permanência da esperança, ao nosso lado, até nosso derradeiro suspiro, mesmo sem sabermos no que ela consiste e para o quê ela se volta.
Algumas dessas pessoas guardam seus afetos essenciais, suas lealdades e fidelidades. Outras não, por haverem perdido filhos, amigos, causas, partidos etc. Enfim, tudo. Tudo, menos uma vaga esperança que os acalenta e mantém vivos em todos os sentidos. A propósito, partilho com você, paciente leitor, estes belos versos com que o poeta Helvécio Goulart encerra seu poema “Esperança”: “Nos bancos dos jardins, feito de névoas,/há mágicos sentados./As cabras comem as últimas flores da Primavera/e a esperança é um rio velho, atravessando a noite”. Lindo, não é verdade? Lindo e verdadeiro.

Thursday, June 26, 2008

REFLEXÃO DO DIA


Não canso de admirar o efeito benéfico que uma genuína amizade produz. Meus amigos me alegram, equilibram e satisfazem. De repente, por um mistério que não sei explicar, determinada pessoa, que até ontem sequer conhecia, e que me era completamente estranha, me desperta profundo e desinteressado afeto e, o que é melhor, com plena correspondência. Há amigos que nos são, até mesmo, mais caros do que parentes (irmãos, tios, primos e, infelizmente, cada vez mais comuns, filhos ou pais). Não são todos os consangüíneos com os quais temos tantas afinidades. Conto, por exemplo, com amigos que considero mais do que irmãos. Pode-se dizer, sem medo de exagero, que as amizades são uma forma de amor, sem as exigências que este impõe. Pedro Nava costumava dizer (no que estava certíssimo): “Aparentar-se pelo coração é ser amigo”. Você, portanto, caro leitor é, sem dúvida, meu parente, posto que por afinidade. Não é legal?!

Óculos do poeta


Pedro J. Bondaczuk

Roubaram os óculos do poeta. E essa não foi a primeira vez que isso aconteceu, mas a quarta. Notem que fui específico na informação e não genérico. Escrevi “do” poeta e não “de um” poeta qualquer. Calma, leitor, que me explico. Refiro-me ao roubo ocorrido no início do ano dos óculos da estátua de ferro fundido, banhada em bronze, de um dos maiores poetas brasileiros de todos os tempos, Carlos Drummond de Andrade, que está na Avenida Atlântica, na altura da Rua Rainha Elizabeth, no Posto 6, em Copacabana, no Rio de Janeiro.
Pela quarta vez, a prefeitura da cidade teve que restaurar o monumento, a um custo, agora, de R$ 3 mil, bancado, claro, pelo nem sempre (ou nunca) farto bolso do contribuinte. O custo, convenhamos, não é bem o caso. O que se estranha é a insistência em deixar o busto do hiper-talentoso mineiro de Itabira sem os seus óculos.
Qual a razão de repetirem o mesmo roubo, da mesmíssima forma, com a mesmíssima personalidade pública? Seria um simples ato de vandalismo, pelo estúpido prazer de depredar um patrimônio público (muitos se divertem com isso)? Seria alguém ávido por uma lembrança da Cidade Maravilhosa? Ou seria um admirador de Drummond querendo algum tipo de recordação do nosso poeta maior?
Caso a resposta seja esta última, o ato, já por si só sumamente sem sentido (e criminoso, claro), ganha dimensões ainda piores. Torna-se de uma estupidez (não diria cavalar, em respeito ao animal) sem limites. Há formas muito mais simples, e honestas, para se conseguir um souvenir de quem quer que seja. Ademais, dos poetas, o que conta é a sua obra, é o seu talento, são seus versos mágicos e divinos.
Se for esse o caso, por que esse indivíduo não comprou um dos tantos livros deixados por Drummond (“A bolsa & a vida”, por exemplo, ou “Viola de bolso”, quem sabe)? Nem precisaria percorrer livrarias. Poderia ter adquirido num sebo qualquer. Ah, não tinha dinheiro para isso?! Que pena!
Mas esse não seria o problema. Por que não entrou, então, na internet, não acessou o Google e não digitou “Carlos Drummond de Andrade”? Se fizesse isso, teria à sua disposição, de imediato, milhares de links, com reproduções de textos do poeta.
O quê? Não tem computador? Que pena! Ah, não é isso? Não gosta de poesia? Mais pena ainda! Se for o caso, é alguém de péssimo gosto, que vê a vida sempre em tons sombrios e cinzas. Ainda não é isso? O que?! Não sabe ler? Pena máxima! Só mesmo um analfabeto (mesmo que não literal, mas “cívico”, dos que não têm respeito sequer com a memória de um país) para fazer uma bobagem dessas!
E foram fazer isso justo com Drummond, que amava tanto essa cidade do Rio de Janeiro! Justo com uma figura tão doce e tão afável! Justo com quem compreendia tanto as pessoas e suas contradições e carências! Infelizmente, na minha indignação, tenho que violentar meu estilo e abusar das interjeições e, principalmente, das exclamações.
Tenho por Drummond um carinho muito especial. Não somente por ter essa figura por paradigma para meus pobres e acanhados versos mambembes, mas por haver conseguido chamar sua atenção e recebido uma comovente carta do poeta, escrita há uma semana exata da sua morte. Que homem brilhante, afável, humilde e generoso que foi!
E quem foi o pilantra que cometeu, e repetiu mais três vezes, essa violação? Foi algum morador da cidade, algum garotão desocupado, que fez a estripulia apenas para se exibir com as garotas? Foi alguém passando fome e que viu a oportunidade de ganhar alguns trocados, sob risco de ser pilhado em flagrante delito? Foram pessoas diferentes que fizeram isso? Foi alguém de fora, algum turista, quem sabe do Exterior? Afinal, o último roubo ocorreu por volta do Carnaval deste ano.
Reitero: foram fazer isso justo com Drummond, que amava tanto essa cidade! Com quem escreveu, no seu poema “A bruxa”, estes versos magníficos e basilares!:

A Bruxa

Nesta cidade do Rio
De dois milhões de habitantes
Estou sozinho no quarto
Estou sozinho na América.

Estarei mesmo sozinho?
Ainda há pouco um ruído
Anunciou vida a meu lado.
Certo não é vida humana,
Mas é vida.
E sinto a Bruxa
Presa na zona de luz.

De dois milhões de habitantes!
E nem precisava tanto...
Precisava de um amigo,
Desses calados, distantes,
Que lêem verso de Horácio
Mas secretamente influem
Na vida, no amor, na carne.

Estou só, não tenho amigo,
E a essa hora tardia
Como procurar amigo?
E nem precisava tanto.
Precisava de mulher
Que entrasse nesse minuto,
Recebesse esse carinho
Salvasse do aniquilamento
Um minuto e um carinho loucos
Que tenho para oferecer.

Em dois milhões de habitantes
Quantas mulheres prováveis
Interrogam-se no espelho
Medindo o tempo perdido
Até que venha a manhã
Trazer leite, jornal, calma.
Porém a essa hora vazia
Como descobrir mulher?

Esta cidade do Rio!
Tenho tanta palavra meiga,
Conheço vozes de bichos,
Sei os beijos mais violentos,
Viajei, briguei, aprendi
Estou cercado de olhos,
de mãos, afetos, procuras
Mas se tento comunicar-me,
O que há é apenas a noite
E uma espantosa solidão

Companheiros, escutai-me!
Essa presença agitada
Querendo romper a noite
Não é simplesmente a Bruxa.
É antes a confidência
Exalando-se de um homem.

Pois é, roubaram, e por quatro vezes, os óculos do poeta. Mas quem foi que ficou sem visão? Foi a vítima (no caso a estátua de Drummond) ou foi o ladrão, que não enxerga um palmo à frente do nariz?

Wednesday, June 25, 2008

REFLEXÃO DO DIA


O espírito, essa nossa porção misteriosa e imaterial, que nos anima e dá vida, ao contrário do seu invólucro de carne, o corpo, nunca envelhece. Mantém o viço e frescor enquanto vivermos. Claro que, inadvertidamente, podemos matá-lo prematuramente. Mas não há idade para a elaboração de nossas obras e a conquista de nossos ideais. Compete-nos alimentar nosso espírito com boas idéias e nobres sentimentos e iluminá-lo com a beleza. Em vez de permitir que se envenene com ressentimentos, cobiça, inveja e outras tantas coisas mesquinhas e destrutivas, devemos nutri-lo com bons livros, boa música, amizades sinceras e um grande e indestrutível amor. Dessa forma, nosso espírito conservará, sempre, o viço da juventude. É do escritor Aníbal Machado esta feliz e precisa afirmação, colocada na boca de um dos seus personagens: “O espírito só tem uma idade: ou é sempre jovem ou não é espírito”.

Inconformismo salutar


Pedro J. Bondaczuk

O inconformismo é marca registrada de heróis e santos, de artistas e cientistas, das pessoas que, de fato, fazem a diferença no mundo. Nem todos concordam. Há moralistas, por exemplo, que pregam que o conformismo é uma virtude. Que quando não podemos modificar determinada situação, nitidamente ruim, devemos nos conformar com ela, nos adaptar e tocar a vida.
Se as coisas fossem assim, o homem ainda estaria vivendo nas cavernas, se alimentando da caça e dos frutos que colhia, a mercê do acaso e dos elementos. Claro que em algumas coisas, que não sejam essenciais, devemos nos conformar, para sermos felizes. Por exemplo, se não temos riquezas, isso não deve nos desesperar, desde que tenhamos o suficiente para viver. Afinal, que valor intrínseco têm essas bugigangas, pelas quais muitos empenham a vida?
Mas de nada adianta a pessoa ser criativa, gerar milhões e milhões de idéias e ter uma infinidade de conhecimentos se mantiver somente para si própria os frutos do seu privilegiado cérebro. Tudo isso será inútil se não causar efeitos positivos no mundo. Como todos nós, sem exceções, esse pensador e criador irá morrer. E se não partilhar com os outros o que souber, tudo o que sabe irá se perder com sua morte.
Idéias, por melhores que sejam, só têm valor quando partilhadas. Quando geram efeito multiplicador, que implique em avanços da coletividade. Quando projetam sombras, que outros transformem em atos. Conheço muitos indivíduos bem-dotados mentalmente que enterram seus talentos, por não saberem como os transformar em dinheiro. Quem age assim comete um dos maiores pecados que uma pessoa pode cometer: o da omissão.
Saber muito, afinal, é tão importante? Claro que sim!
Muitos espíritos retrógrados atribuem ao conhecimento todos os problemas que a humanidade enfrenta na atualidade. Em certos aspectos, não deixam de ter razão. Por exemplo, o avanço da tecnologia, que resultou na invenção do automóvel, do avião e de outros meios de locomoção que utilizam o petróleo como combustível, reduzindo distâncias e “encolhendo” o mundo, resultou, em pouco mais de um século, numa poluição do Planeta que 12 mil anos de civilização não haviam produzido.
Só que o “remédio” que eles receitam é, na verdade, veneno. Defendem o desprezo ao conhecimento, o que levaria o homem de volta à caverna primitiva. Só outro conhecimento, mais avançado, poderá resolver este e outros tantos problemas que a tecnologia gerou.
Vivemos numa época em que as pessoas têm verdadeira obsessão pelo novo. Palavras como mudança, modernidade e novidade, entre outras tantas de igual significado, freqüentam, amiúde, todas as conversas e são repetidas bilhões de vezes, todos os dias, mundo afora. É errado? Depende!
Convém observar que é rematada tolice, senão estúpido desperdício, desprezar, liminarmente, tudo o que já existe, se estiver funcionando e satisfazendo as necessidades das pessoas. Mudanças são importantes, de fato, mas apenas se forem para melhor, evidentemente. Nem sempre são.
Não raro, valores fundamentais são derrubados, apenas por serem “antigos”, sem que nada de melhor seja criado para substituí-los. O moderno não passa do velho com roupagem nova. O correto é pensar, sim, em inovação, mas sem dispensar, sem mais e nem menos, a tradição..
Embora com critério – conservando o que funciona bem e, se preciso, melhorando-o – temos, portanto, sempre, que mudar o que requeira mudanças: comportamentos, atitudes, pensamentos, sentimentos e objetivos, entre outras tantas coisas. Mas, reitero, sempre em sentido evolutivo, com critério e com rigorosa análise dos nossos passos.
Mudanças consistentes e necessárias significam evolução, amadurecimento, sabedoria. Claro que não podemos sair por aí mudando tudo e todos afoitamente. Corremos o risco de gerar “Frankensteins”, em vez de belos e aperfeiçoados espécimes. Mudanças, no entanto, fazem parte da vida.
A natureza nos muda diariamente, ora para melhor, ora para pior, mas nos deixando sempre diferentes do que fomos ontem. Henri Bérgson escreveu o seguinte a esse respeito: “Para um ser consciente, existir consiste em mudar, mudar para amadurecer, amadurecer para se criar a si mesmo indefinidamente”. Devemos nos criar do berço à tumba, sem cessar. Mas sempre com critério e bom-senso.

Tuesday, June 24, 2008

REFLEXÃO DO DIA


Seria errado nutrirmos ilusões, como tenho lido por aí? Não, se as mantivermos intactas durante toda nossa vida, até o último suspiro. A realidade absoluta, nua e crua, é por demais feroz. Não há um único ser humano que a resista integralmente. É como a luz do sol. Se olharmos, fixamente, por cerca de um minuto ou menos, diretamente para a estrela que nos ilumina e dá vida, certamente ficaremos cegos. Sua luz é intensa demais para nossa retina. São as ilusões que impulsionam as pessoas e as levam a trabalhar, de sol a sol, não raro em condições adversas, na doce certeza de que dias melhores virão. E mesmo que tardem a chegar, ou não cheguem nunca, nos mantém ativos e confiantes. Não há quem não se iluda alguma vez com pessoas ou coisas. Victor Hugo observou, com sua costumeira competência, a esse respeito: “A alma tem ilusões, como o pássaro, asas. Isso é que a sustém”.

Meros tijolos


Pedro J. Bondaczuk

A dúvida sensata, na medida certa, não é, como muitos desavisados entendem, falta de fé. Trata-se de um ingrediente que promove a evolução espiritual e melhora as idéias, consolidando as convicções. Estabelece, depois de esclarecida, bases sólidas para as crenças que, a partir de então, se tornam inabaláveis.
Mas a dúvida é como o sal. Se a utilizarmos além da medida, tornará as idéias intragáveis, como acontece com as comidas salgadas em demasia. Conheço pessoas, por exemplo (e não são poucas), que ainda não acreditam que o homem tenha pisado na lua. Há, inclusive, um site na internet que reúne os que pensam dessa maneira. Argumentam que a corrida espacial se deu no contexto da guerra fria. E que na ocasião, tanto os Estados Unidos, quanto a extinta União Soviética se utilizaram de todos os recursos, inclusive ilícitos, para fazer propaganda de seu respectivo regime. E que a descida na lua foi uma dessas “mentiras” com fins promocionais.
Dizem até – com uma convicção que não se sabe de onde vem – que as imagens de televisão, que mostraram Neil Armstrong pisando, em 20 de julho de 1970, no solo lunar, foram, na verdade, gravadas em algum deserto da Terra, no Saara, talvez, ou, quem sabe, até em próprio território norte-americano. É o tipo de dúvida ridículo. É o caso do “sal” usado em excesso.
Se o usarmos, porém, na medida certa, o sabor das idéias será delicioso para o espírito. A crença, sem fundamento, não é fé, mas fanatismo, sustentado pelos alicerces apodrecidos dos dogmas. Reitero, porém, que a dúvida deve ser usada com parcimônia. Afinal, uma “pitada” não é o mesmo que uma “tonelada”.
Quase todos, algum dia, nos julgamos – intimamente, no fundo do nosso coração – mais importantes do que de fato somos, imprescindíveis até para a sociedade, senão para a humanidade. A maioria cai em si e humildemente admite que tem importância, mas não é indispensável e nem insubstituível. É mero tijolo de um grande edifício, cujo projeto não se sabe quem fez e nem se conhece a finalidade. Usam o tempero da dúvida na medida certa. Não são, portanto, nem céticos empedernidos e muito menos fanáticos, que não admitem contestação daquilo que acreditam.
Alguns, todavia, não agem com esse bom-senso. “Salgam” em demasia idéias e convicções. Teimam em se julgar mais importantes do que são. O tempo e os fatos, porém, se encarregam de abater seu orgulho. Via de regra, essas pessoas descambam para o outro extremo, igualmente errado. Passam a se considerar inúteis e dispensáveis. Também não são. É como se diz: “A virtude está no meio”.
Vivemos em dois compartimentos distintos: o exterior e o interior. O primeiro é o da convivência com outras pessoas, dos relacionamentos – afetivos, sociais, profissionais etc. – caracterizado por intensa competição e pouca cooperação (deveria ser o inverso). O segundo é o convívio conosco mesmos, com nossas idéias, valores, convicções, pensamentos e sentimentos.
O ideal é que nossa vida seja rigorosamente equilibrada nos dois planos. Ou seja, no cumprimento do nosso papel no mundo e no enriquecimento espiritual, sem o qual teremos poucas chances de sucesso. Na vida exterior, quase sempre, a tendência é a ostentação. Na interior, é o bom-senso, o equilíbrio e o pragmatismo.
As pessoas não-dogmáticas (diria, pragmáticas), têm sede e fome de conhecimentos que são insaciáveis. Mantêm-se permanentemente ligadas ao mundo, dispostas a aprender tudo o que possam. São, pois, as que têm as maiores chances de mudar, sem que tais mudanças impliquem em traumas. Tão logo descubram que aquilo em que acreditavam não é, rigorosamente, verdadeiro, mudam de opinião, sobre os outros ou sobre si mesmos, sem nenhum problema. Sabem temperar suas crenças com o sal da dúvida.
Convenhamos, a descoberta das nossas limitações é sempre complicada, pois fere nosso amor próprio. Mas é importante. Se quisermos empreender conquistas, é indispensável sabermos onde estamos, o que somos e o que queremos, para que possamos escolher a estratégia e os meios adequados para a nossa evolução.
Não é necessário, claro, alardear nossas deficiências aos quatro ventos. Se o fizéssemos, estaríamos nos depreciando, ou seja, utilizando em demasia o “sal da dúvida”, ao duvidar de nós mesmos. Mas é indispensável que identifiquemos nossas vulnerabilidades e nos disponhamos a corrigir o que estiver incorreto.
Todos temos lá nossa importância, embora, reitero, não tanta como desejamos. O filósofo Will Durant chega a esta conclusão, no livro “Filosofia da vida”: “A maior parte de nós não passamos de simples matéria-prima, meros tijolos dum edifício cujo plano não podemos conceber”. Não há como contestar! E qual o problema de não sermos o telhado dessa construção?!

Monday, June 23, 2008

REFLEXÃO DO DIA


O futuro é o que ainda não existe, certo? Errado! Nem sempre é assim. Não, pelo menos, em relação ao segundo seguinte ao que estamos vivendo. É conseqüência do que fizemos no passado e do que estivermos fazendo agora. Não surge, como por encanto, do nada. Nosso futuro estamos construindo a cada momento, mediante atos, empenho e predisposição do espírito. Se perdermos tempo com temores exacerbados, inúteis lamentações e manifestações de pessimismo e mau-humor, quando ele chegar, num piscar de olhos, será estéril, sem que tenhamos feito nada de útil e proveitoso para nós e para a espécie. O que você terá, pois, no futuro imediato, será conseqüência do que estiver elaborando agora, neste preciso instante. Roger Garaudy nos adverte, em magistral texto: “O futuro não é o que vai acontecer. É aquilo que fizemos. O verdadeiro futuro não é o que ainda não existe. Está presente no presente”.

Criança no adulto


Pedro J. Bondaczuk


A natureza é, mesmo, caprichosa, mas sumamente sábia. Dota-nos do essencial para a vida – como o andar, falar, comer, sonhar, se deslumbrar, temer etc.etc.etc. – na mais tenra infância. A maior parte do que aprendemos depois é, senão supérfluo, indesejável e, não raro, nocivo e até perigoso.
Com o passar dos anos, vamos deixando pelo caminho nossos sonhos, fantasias e ideais de menino, como se fossem descartáveis, trocando-os por valores que, de fato, pouco ou nada valem. Perdemos a inocência e, como Adão no Paraíso após desobedecer a Deus, constatamos que “estamos nus”.
Quem consegue conservar, em essência, no fundo da alma, a criança que um dia foi, se torna ou um líder, ou um revolucionário, ou um santo, ou um grande artista. Quem não tem essa prudência... Tem que se contentar em ser mais um, dos tantos seres humanos que povoam o planeta, sem nada de original ou especial que o distinga.
Temos que aprender a nos alegrar como crianças, sem que essa alegria dependa de fatores externos, como coisas e pessoas. Ela deve brotar espontânea em nosso coração pelo simples fato de estarmos vivos, de podermos usufruir, de graça, das delícias da natureza, de um dia de sol, da sombra amiga de um belo bosque ou do banquete de beleza proporcionado por um jardim intensamente florido.
Vinculamos nossa alegria a pessoas e coisas e quando as perdemos, raramente sabemos como voltar a nos alegrar. João Guimarães Rosa escreveu um belíssimo texto, com o qual muitos discordam, mas que concordo plenamente, pela verdade que encerra. Diz: “Deus nos dá pessoas e coisas, para aprendermos a alegria. Depois, retoma coisas e pessoas para ver se já somos capazes da alegria sozinhos. Essa é a alegria que Ele quer”. E nós, em nossa falta de entendimento, não aprendemos a lição. Lamentamos a perda das pessoas e coisas e mostramos que somos incapazes de nos alegrar sozinhos.
O engraçado é que, quando um adulto age ou fala de forma imprudente, sem o mínimo bom-senso, diz-se que está fazendo “criancice”. É uma injustiça tola contra a criança, fruto de preconceito. Dá a entender que tudo o que ela fala ou faz é um amontoado de tolices. Não é! Dizemos e fazemos muito mais besteiras quando nos tornamos adultos e ninguém diz que estamos fazendo “adultices”. Ademais, a criança, se bem-instruída e orientada, certamente será um homem ou uma mulher notável, quem sabe, até, genial. E o adulto sem instrução é melhor? Não! Claro que não!
Também tem sempre que aprender alguma coisa, melhorar em algum ponto, se informar, se instruir, se educar. Contudo, sua capacidade de aprendizagem já não é a mesma dos tempos de criança. A educação é um processo ininterrupto, que vai do berço à tumba. Reitero que, mesmo que relutemos em admitir, trazemos em nós o menino (ou a menina, no caso das mulheres) que um dia fomos. Muitos, todavia, o sufocam, aprisionam, escondem e depois reclamam que são infelizes. Não é de se admirar. Afinal, sem se darem conta, negam-se a si próprios.
As crianças são muito mais sábias, e práticas, do que ousamos admitir. Contam com aquela sabedoria natural, primitiva, herdada de gerações de antepassados, inscrita em seus genes, ainda não contaminada por dogmas, teorias, discutíveis conceitos e caducas ideologias. Perdemos a inocência original por nos esquecermos de como éramos nessa fase da nossa vida. Não deveríamos.
Para chegarmos ao menos próximos da sabedoria, não podemos, jamais, deixar morrer em nós a inocência da infância. Não devemos nunca sufocar a criança que vive em nós, mas lhe dar espaço e ouvidos, para não nos deixarmos enredar por dogmas contestáveis e tolos e vazios preconceitos, embora à revelia de críticas e de zombarias dos néscios, que se julgam sábios.
Não sou eu que o digo, mas o eminente psicanalista Carl Gustav Jung, do alto da sua inegável autoridade de mestre no assunto. Ele escreveu a respeito: “Falamos sobre a criança, mas deveríamos ter em vista a criança no adulto, porque em cada adulto está escondida uma criança – uma eterna criança, algo que está sempre crescendo, que nunca se completa e exige incessante cuidado, atenção e educação”.
Não importa, portanto, que ostentemos ares de sisudez, por achar que essa postura nos confere respeitabilidade e maturidade. Não confere. Aliás, o amadurecimento verdadeiro implica em não abrir mão das experiências, até as mais pequeninas e aparentemente sem valor, colhidas na infância. Por exemplo, tenhamos a idade que tivermos, teremos, sempre, necessidade, até física, de brincar, de dar asas à imaginação, de criar e viver fantasias.
Só guardando essa simplicidade, essa capacidade imensa de se alegrar, essa inocência primitiva, seremos amados e, conseqüentemente, felizes. Devemos, portanto, manter a autenticidade, a transparência e a pureza das crianças. Cristo já dizia: “Vinde a mim as criancinhas, pois delas é o Reino dos Céus”. Ele será nosso também, no entanto, caso não deixemos calar (ou morrer) o menino que teima em habitar em nós.

Sunday, June 22, 2008

REFLEXÃO DO DIA


Os grandes homens, os gigantes da espécie, aqueles que com sua atuação promoveram os grandes saltos da civilização, fazendo com que o homem saísse das cavernas e ousasse enfrentar o espaço em busca de outros mundos, tinham (e têm, pois ainda existem), como principal característica, a persistência. Nunca desistiram de suas empreitadas. Mostraram, além de coragem, competência e visão de futuro, exemplar vitalidade. Tentaram, erraram, voltaram a tentar, tornaram a errar, mas persistiram, até chegar ao que queriam. Não tiveram apenas vitalidade e persistência. Demonstraram outra virtude, raramente citada, mas que é fundamental para o sucesso de qualquer empreitada: tiveram a paciência de recomeçar. Nunca se deram por vencidos. E foi exatamente isso que os tornou gigantes da espécie. Pois, como o eminente romancista norte-americano, Scott Fitzgerald, observa: “Vitalidade não é só a capacidade de persistir, mas também a de recomeçar”.

DIRETO DO ARQUIVO


Que o avanço seja partilhado


Pedro J. Bondaczuk


As experiências do professor norte-americano, Stanley Pons, da Universidade de Utah, e do inglês Martin Fleischmann, da Universidade de Southampton, na Grã-Bretanha, que cientistas de várias outras partes do mundo (inclusive do Brasil) tentam reproduzir, podem ser o limiar de uma das maiores descobertas deste século, tão farto delas.

Trata-se da fusão nuclear controlada à temperatura ambiente. Ela pode significar uma fonte de energia inesgotável, libertando a humanidade das suas aflições atuais (e principalmente futuras), quando as principais matérias-primas, além de estarem se esgotando perigosamente (como é o caso do petróleo), são altamente poluentes e tendem, portanto, a trazer conseqüências muito nefastas, em médio prazo.

É muito importante para o Brasil, onde o setor de pesquisas sempre foi o “primo pobre” das ciências, com crônicas ausências de verbas, deter essa revolucionária tecnologia, caso esse processo seja realmente exeqüível. Há muito pesquisador que duvida disso. Descrê dessa exeqüibilidade.

Aliás, a dúvida e a permanente curiosidade são as duas principais virtudes do autêntico cientista. Se elas não existissem, provavelmente o homem ainda estaria nas cavernas, não teria descoberto sequer a maneira de produzir fogo e dependeria, exclusivamente, dos caprichos da natureza para sobreviver, em vez de usar essas forças naturais a seu serviço e sob o seu controle.

A fusão nuclear é diametralmente oposta à fissão. Esta última envolve altíssimas temperaturas e tem o inconveniente de gerar subprodutos, com uma radioatividade que se mantém ativa por séculos. Seu objetivo é partir ao meio os átomos pesados, mediante bombardeio com nêutrons, liberando, dessa maneira, a energia.

A fusão é exatamente o contrário. É um processo de “união”, de “casamento”, de “junção”. Comprime átomos leves (em geral o hidrogênio) produzindo, ao cabo do processo, elementos mais pesados. É mais ou menos o que ocorre espontaneamente no Sol e nas demais estrelas. Além de liberar uma imensa quantidade de energia, produz pouco lixo poluente.

É verdade que as expectativas podem se ver frustradas. Não está fora de propósito, por exemplo, um equívoco na avaliação da experiência realizada por Pons e Fleischmann. Mas tudo leva a crer que isso não tenha ocorrido. Que o homem esteja, de fato, no limiar de uma nova era.

O que se questiona é se esse benefício da descoberta, que deveria ser patrimônio comum de toda a humanidade, vai atingir cerca de dois terços dos homens, aqueles que vivem no chamado Terceiro Mundo, que ostentam um estágio de desenvolvimento do século passado, em termos de recursos tecnológicos, quando o terço restante já está ingressando, prematuramente, no século XXI.

(Artigo publicado na página 10, Internacional, do Correio Popular, em 7 de abril de 1989).

Saturday, June 21, 2008

REFLEXÃO DO DIA


Muita gente confunde educação com mera instrução, com o aprendizado das primeiras letras, dos princípios da matemática, das regras do idioma e dos fundamentos da Geografia, História, Ciências etc. Quem pensa assim, está muito equivocado. As duas coisas são distintas, ambas indispensáveis e se complementam (ou deveriam se complementar). Educação é um processo contínuo, ininterrupto e que nunca tem fim. Vai do berço à tumba, do nascimento à morte. Enquanto vivermos, estaremos nos educando (ou deixando de nos educar, o que, se ocorrer, será trágico para nós e para a civilização). Portanto, o processo educacional nunca termina com a obtenção de um diploma universitário, ou de uma pós-graduação, ou então de um doutorado. Em muitos casos, está, exatamente aí, a metade desse processo. John Dewey nos lembra, com absoluta pertinência: “A educação é um processo social; é desenvolvimento. Não é a preparação para a vida, é a própria vida”.

Soneto à doce amada - VI


Pedro J. Bondaczuk

Viu, minha doce amada, como brilha
o sol nesta manhã clara e serena?
Sonhar é bom, mas a alma é pequena.
Nenhum homem pode ser uma ilha.

Erga a cabeça, não perca a esperança.
Reuna forças. Sorria até.
Jamais permita que abale sua fé
o esquivo monstro da desconfiança.

Viu como é fácil, minha doce amada,
conservar uma visão deslumbrada
e se livrar do ciúme e do rancor?

Em tendo confiança no futuro,
pequena, doce amada, eu lhe asseguro:
não há que temer pelo nosso amor.

Campinas, 27 de janeiro de 1969

Friday, June 20, 2008

REFLEXÃO DO DIA


É um erro muito grande não darmos o devido valor às consideradas “pequenas coisas”, aparentemente triviais, corriqueiras e banais. Já vi muita grande obra se perder porque seu autor não atentou para algum reles “pequeno detalhe”. Os investigadores concluíram, por exemplo, que a causa principal do casco do Titanic não haver resistido ao choque com um iceberg, em 1912, foi o defeito dos arrebites que prendiam as placas de aço que formavam a sua estrutura. Por causa disso, o transatlântico tido como invulnerável e impossível de naufragar, foi a pique, causando a morte de mais de 1.500 pessoas. Como se vê, isso ocorreu por não se dar a importância devida a um mísero, que se fosse considerado, evitaria a tragédia. Atentem para o que o escritor inglês, Arthur Conan Doyle (o criador do personagem Sherlock Holmes) escreveu a respeito: “Há muito tempo que o meu axioma é de que as pequenas coisas são infinitamente as mais importantes”. O meu também...

Oportunidades de bravura


Pedro J. Bondaczuk


Os heróis são frutos da ocasião. Não me refiro àquele heroísmo do cotidiano, de quem encara as circunstâncias com determinação e otimismo quando tudo é desfavorável, e que sequer é reconhecido por quem quer que seja. O que quero ressaltar são aqueles atos de bravura, súbitos, impulsivos e surpreendentes, em que a pessoa arrisca a própria vida, para salvar a de alguém em risco iminente de morrer, sem medir as conseqüências.
Por exemplo, é o caso do cidadão comum e pacato, que vê uma criança atravessar uma rua movimentada prestes a ser atropelada por um veículo e que, sem pensar duas vezes, se atira à sua frente e a salva, podendo ou não ser atingido pelo carro (ou caminhão, ônibus etc., não importa). Ou o de quem entra num edifício em chamas para socorrer alguém que tenha sido cercado pelo fogo (um bebê, um ancião, um deficiente físico) e o resgata incólume. Ou tantas e tantas outras ações desse tipo.
Esse heroísmo confere imediata notoriedade pública a quem o pratica. Quem tem essa oportunidade (e a aproveita, claro), ganha manchetes de jornais, reportagens na TV, homenagens das autoridades e o carinho da população. Nada mais justo. Todavia são raras as circunstâncias que nos permitem que nos transformemos, em questão de segundos, de pessoas obscuras e desconhecidas em heróis. Muitos deles, inclusive, passados alguns dias, voltam ao ostracismo e raramente são lembrados. Outros, chegam, até, a ganhar estátuas em praças públicas e seus nomes são perpetuados, “batizando” ruas, escolas, ginásios esportivos etc.
É verdade que todos podemos ser, um dia, heróis desse tipo (não digo que seremos). Tudo depende, reitero, da oportunidade, do acaso, do momento e não apenas disso, claro, mas de se saber agir, com determinação e coragem, sem atentar para as conseqüências, quando formos compelidos por um sentimento interno a atuar dessa maneira. Não há quem não sonhe, no íntimo, em conquistar, para sempre, o respeito, a estima e a admiração gerais. E, convenhamos, não há mal nenhum nisso.
Já que não somos heróis (ainda), contudo, não precisamos ser covardes. As oportunidades para a covardia, ao contrário das do heroísmo, são muitas a cada dia, e quase infinitas ao longo da vida. Mas só depende de nós não descambarmos para essa condição jamais. Como? Fazendo a nossa parte no mundo. Descobrindo e assumindo o papel que nos cabe exercer na sociedade. Agindo!
A maior covardia, na minha visão, é a omissão. É deixar de fazer o que poderíamos (e deveríamos), por medo, indiferença, egoísmo ou qualquer outro motivo correlato. O romancista francês René Bazin (popular em seu país, onde chegou a ser senador e membro da Academia Francesa, mas relativamente desconhecido no Brasil) escreveu a respeito: “Só duas ou três vezes nos aparece, na vida, uma oportunidade para mostrar que somos bravos. Mas temos, diariamente, várias ocasiões para não ser covardes”.
E quem foi esse romancista? Foi um escritor católico de grande destaque e popularidade na França, em fins do século XIX e boa parte do XX (nasceu em 1853 e morreu em 1932), por exaltar, em seus livros, valores familiares, morais, cívicos e patrióticos. Hoje, muita gente “torce o nariz” para os seus escritos. Não deveria.
Considero o pessimismo doentio e exacerbado como outra forma bastante comum de covardia. Via de regra, o pessimista “de carteirinha” é, também, um omisso. Essa sua alegada visão negativa da vida não passa, na verdade, de pretexto, amiúde utilizado, para a omissão. Raciocina: “´Já que nada vai dar certo mesmo, por que vou me esforçar? Por que vou ajudar os outros? Eles que se virem! Ou que cobrem o governo, que existe para isso”, é o raciocínio de quem só vê obstáculos à sua frente e não enxerga as oportunidades. Quem já não ouviu algum dia esse tipo de declaração?
O pessimista encara a vida como um sacrifício, como um profundo e sombrio vale de lágrimas, repleto de pedras e de espinhos e de armadilhas de toda a sorte. Tolice. Falta-lhe, não somente sensibilidade, mas, sobretudo, compreensão. Falta-lhe sabedoria para entender o que é, onde está e com qual finalidade veio ao mundo.
O sábio, contudo, entende, valoriza e agradece o sumo privilégio que tem: o de viver. Releva os sofrimentos e dificuldades e considera-os nada mais do que lições, do que exercícios que o fortalecem e vivificam. Descobre, a cada momento, novos prismas, novos encantos, novas nuances de grandeza e beleza ao seu redor. Valoriza a alegria, a reflexão, as amizades, o amor e a harmonia. Enfim, sabe viver.
O sábio, portanto, na minha visão pessoal, é sempre um herói, mesmo que não salve jamais alguma vida, não pratique qualquer ato espetacular e arriscado e, por isso, não chame a atenção da opinião pública. Faz o que tem que fazer com responsabilidade e constância, sem queixas e nem cobranças. É útil, otimista, nobre e altruísta.
O sábio descobre o seu papel e o assume plenamente. Para quem tem sabedoria e sensibilidade, a vida não é nenhum “castigo”, mas uma grande festa. Quem tem essa lucidez, participa, com alegria, dessa celebração. Mas, como ressalta o filósofo norte-americano Ralph Waldo Emerson (e eu também enfatizo), “só o sábio” tem essa percepção. Por isso, nunca permite que o pessimismo envenene seus pensamentos, o que o torna um verdadeiro herói.

Thursday, June 19, 2008

REFLEXÃO DO DIA


É certo que querer é poder. Essa vontade, todavia, precisa ser prática, acompanhada de ações. Não basta só desejar alguma coisa: é preciso lutar por ela, agir positivamente para a sua obtenção, ser veemente e perseverante em sua tentativa. É verdade que muitas vezes (diria, a maioria), por mais que nos empenhemos, não somos bem-sucedidos. Seria isso uma derrota? Não considero assim. Há circunstâncias que anulam todos nossos esforços e nos impedem de transformar o querer em poder. Isso, no entanto, não pode ser considerado fracasso. Porque, mesmo não atingindo o objetivo principal, em nosso empenho para consegui-lo, faremos coisas admiráveis, que não conseguiríamos se não nos empenhássemos tanto. O norte-americano Dale Carnegie observa a propósito: “O poder nasce do querer. Sempre que o homem aplicar a veemência e a perseverante energia de sua alma a um fim, vencerá os obstáculos e, se não atingir o alvo, fará, pelo menos, coisas admiráveis”.

Feiúra e banalidade


Pedro J. Bondaczuk

A educação é um processo contínuo, que começa logo no nascimento – quando a natureza nos força a aprender a respirar, a se alimentar utilizando o seio materno e a praticar outros tantos atos vitais de que não nos damos conta – e se encerra, somente, com a nossa morte. Estamos, continuamente, aprendendo, aprendendo e aprendendo, todos os dias, todas as horas, todos os minutos até. Pena que a coisas novas que aprendemos nem sempre são as mais convenientes, ou necessárias, ou mesmo saudáveis para a nossa vida.
Nesse processo de constante aprendizado, atos, exemplos e atitudes, são muito mais importantes do que meras palavras, por mais profundas e bem-utilizadas que sejam. O homem é um animal imitador. Isso faz parte da sua natureza. Nesta época tensa da história, em que imperam o egoísmo e um inconsciente e estúpido materialismo, todavia, se torna cada vez mais difícil a tarefa do educador para ensinar princípios e valores sólidos aos jovens.
Escasseiam exemplos de grandeza, beleza e transcendência e abundam os de violência, cobiça e corrupção. O antropólogo e cientista do comportamento, Konrad Lorenz, chegou a desabafar, certa ocasião, com desalento, em entrevista a um jornal: “Como despertar num adolescente o sentimento de respeito, se tudo o que ele vê ao seu redor é obra humana, feia e banal?!”.
Como? Mostrando-lhe a ação dos grandes líderes do passado, que com idealismo e talento, promoveram importantes saltos na civilização. Não fossem eles, o mundo, certamente, estaria muito pior hoje em dia. Trazendo à baila obras de arte, de poetas, pintores, escultores, compositores etc., que tornaram a vida mais alegre e bela. É questão de justiça. Esses homens merecem nossa lembrança e gratidão.
Ressalte-se que não há demérito algum, ao contrário do que muitos pensam, em se imitar pessoas dignas de imitação. A rigor, passados 13 mil anos de civilização, com milhares e milhares de gerações se sucedendo, é absolutamente impossível sermos originais. Todos nossos atos e pensamentos, dos mais banais aos mais complexos e transcendentais, são imitados. Alguém, em algum tempo ou lugar, já os praticou.
Desde as primeiras palavras que balbuciamos, dos primeiros passos que damos, das coisas mais triviais que aprendemos, imitamos alguém. O problema é o modelo. Por exemplo, entre Hitler e São Francisco de Assis, é óbvio quem deve nos servir de parâmetro, não é mesmo?
Devemos imitar quem de fato mereça imitação, por seus atos e idéias. E muitos, dos que consideramos (com justiça) “gigantes da espécie”, a merecem. Não se pode negar, no entanto, que a feiúra e a banalidade imperam. Que a cobiça, a violência, a corrupção, as injustiças, a ingratidão e milhares e milhares de outras atitudes condenáveis e perversas prevalecem. Até a ação que deveria ser considerada transcendental (porque o é), foi desvirtuada, corrompida, conspurcada, banalizada e tornada horrível.
O mais sublime e importante dos atos da natureza, o que assegura a reprodução das espécies e a conseqüente multiplicação e perpetuação da vida, foi transformado, pelo homem, em algo trivial, de pouca (ou nenhuma) importância espiritual, mera diversão a dois. O desvirtuamento foi de tal sorte, que a maioria das palavras de baixo calão, utilizadas para ofender desafetos em momentos de raiva, tem conotação sexual.
O ato mais sublime e nobre que o ser humano deveria praticar com compunção, responsabilidade e devoção, foi corrompido, desvirtuado, aviltado, emporcalhado, mercantilizado e banalizado, quando deveria ser considerado sagrado e encarado como nossa maior missão no mundo.
Não se trata, aqui, de ditar regras de moral, mas de atentar para a pura lógica que, neste caso, é violentada da forma mais absurda e brutal. Machado de Assis, com seu talento, apresenta argumentos irretorquíveis em defesa da sacralidade do ato sexual, numa de suas magistrais crônicas, ao escrever: “Como a vida é o maior benefício do universo, e não há mendigo que não prefira a miséria à morte, segue-se que a transmissão da vida, longe de ser uma ocasião de galanteio, é a hora suprema da missa espiritual”. Há como refutar, com idéias e não meras palavras, tão sábio e verdadeiro argumento?
Embora a vida seja rápida demais (e é), são muitas as experiências afetivas, boas e ruins, que vivemos ao longo dos anos. São tantas, que sequer arranjam espaço suficiente na lembrança para poderem se perpetuar, apesar da memória ser tão ampla e receptiva. Esquecemos, com o tempo, de muitas dessas experiências e das pessoas com as quais as compartilhamos. Por isso, só vemos feiúra e banalidade ao nosso redor.
Causa-me intensa piedade, acompanhada de frustração, quando observo uma pessoa que tinha todo o potencial para se realizar na vida, para conquistar seus sonhos, concretizar seus ideais e ser feliz, fracassar e se tornar inútil, maldosa, amarga e derrotada. Foram inúmeras as que vi se corromperem e se desviarem da boa rota, enveredando pelo caminho do vício ou do crime.
Mais agudo, ainda, esse sentimento se torna quando constato que nada posso fazer para ajudar esse alguém que se desviou da trilha óbvia e segue, célere, em direção ao abismo sem volta. Lamento, lamento muito minha incapacidade de convencimento e minha conseqüente desvalia. Essas pessoas imitaram modelos errados, viciosos e corrompidos, de notórios fracassados, e se deram mal. Passaram a enxergar, apenas, feiúra e banalidade ao seu redor. E tornaram-se, física e espiritualmente, também feios e banais. Uma pena...

Wednesday, June 18, 2008

REFLEXÃO DO DIA


Há pessoas que garantem que não se surpreendem com nada. Deveriam se surpreender. Se não estiverem mentindo, provavelmente não estão atentas ao que lhes ocorre, ou ao que se desenvolve ao seu redor. Afinal, por mais previsíveis que os acontecimentos sejam, sempre escondem surpresas (boas ou más). São elas que os marcam e os tornam especiais. Mesmo as surpresas desagradáveis têm, lá, a sua utilidade. Servem-nos como lições, para sermos mais cautelosos e precavidos em nossas atitudes e comportamentos. Os homens sábios e sensatos não lamentam erros e sofrimentos, mas aprendem com eles e crescem com esse aprendizado. Só os fracos, os despreparados e os incautos perdem seu tempo com inúteis e vazias lamentações. A vida é toda ela constituída de surpresas. Daí ter tamanho encanto. Respeito quem não concorde comigo, mas estou plenamente de acordo com André Gide que, num de seus ensaios, observa: “O homem sensato é aquele que se surpreende com tudo”.

Anseio de compreensão


Pedro J. Bondaczuk

A pessoa sábia nunca age com arrogância com ninguém. Trata os poderosos com cortesia, mas com altivez e é humilde para com os humildes. Sabedoria não tem nada a ver com quantidade de conhecimentos. Consiste na qualidade do que se conhece e, principalmente, no como se utiliza o que se sabe.
O sábio cultiva valores, como bondade, solidariedade, civilidade e cortesia, entre outros, e aplica-os no cotidiano. Busca compreender seus próprios instintos, sentimentos e pensamentos e procura fazer o mesmo em relação ao próximo. É altruísta e vive em sentido coletivo, ciente de que sozinho não é nada e ninguém.
Ignorante, por sua vez, não é o que não tem conhecimentos. É o que não sabe o que fazer com o que conhece. Grande quantidade de saberes, portanto, não é, necessariamente, sinônimo de sabedoria (até pode ser), mas de erudição. A pessoa que ostenta vários diplomas, de renomadas universidades, por exemplo, que tem títulos de pós-graduação de instituições de grande prestígio, até do exterior, é, sobretudo, douta, não necessariamente sábia. O será, somente, se entre seus conhecimentos estiverem valores de boa-conduta e civilidade e se os souber utilizar. E arrogância, convenhamos, não é um deles.
Todas as pessoas, mesmo que não admitam ou que sequer tenham consciência, anseiam por ser compreendidas. Quem acha que compreende os outros, mesmo os que lhe são mais próximos e compartilham do mesmo teto (e da mesma cama), está enganado. Volta e meia se surpreende com alguma palavra que não estava em seu “script” ou com alguma atitude inesperada.
No fundo, no fundo, somos todos solitários, embora em diferentes intensidades. Para sermos compreendidos, temos que nos expor. Não podemos temer decepções. Devemos nos prevenir para elas e tentar compreender os outros. É tarefa difícil, dificílima, muito mais complexa do que podemos supor. Mas é necessária, diria que indispensável, para relacionamentos sadios e equilibrados.
Qual é o oposto da esperança? A própria palavra já o sugere: é o desespero. É aquele estado de espírito em que não se acredita mais, de forma alguma, que o amanhã seja sequer um pouco melhor do que um hoje que nos cause aflições e dores.
Trata-se de condição dolorosa demais para quem a enfrenta, à beira de um abismo em que um simples passo tende a conduzi-lo à catástrofe, quem sabe ao suicídio. O máximo da esperança é justamente o antídoto para esse veneno da alma, que leva qualquer um a perder o equilíbrio.
Raras são as pessoas que conseguem sair sozinhas dessa situação. Quem chegou a este ponto, emite (posto que não por palavras, mas por gestos e atitudes), enfático “grito” de socorro aos que o cercam, posto que não acredite na possibilidade de ser ajudado. Do que precisa, porém, não é de sermões moralistas e muito menos de reprimendas. Necessita, acima de tudo e mais do que nunca, de compreensão.
Tive, há alguns anos, uma experiência com uma pessoa desesperada, à beira do suicídio, que recorreu aos meus préstimos, e até hoje não entendo por que. Afinal, não sou psicólogo ou psiquiatra, nem padre ou pastor ou algo que o valha. Não passo de um jornalista curioso e inquisidor, nada mais.
Senti-me, pois, perdido em meio àquele turbilhão de sentimentos desencontrados, intensos, caóticos, sem saber, em absoluto, como proceder. Lembrei-me, todavia, das recomendações de um voluntário do Centro de Defesa da Vida de como agir em situações como essa. Essa entidade, ressalto, faz um trabalho meritório e muito bem-sucedido junto a suicidas potenciais.
Dispus-me a ouvir o desesperado, como o recomendado, em seu desabafo dramático, sem acreditar nem um pouco que isso traria resultados. Mas trouxe. Todas as vezes que ele ameaçava se calar, eu lhe dava “corda” para que continuasse falando. Não lhe disse absolutamente nada. O que dizer em situações como essa? Senti que minhas palavras seriam inúteis, mesquinhas, banais e que talvez até agravassem seu desespero.
A pessoa falou, falou e falou, creio que por mais de duas horas, sem nenhuma interrupção. Até que, já sem fôlego, pareceu haver sido atingida, subitamente, por um raio. Suas feições se descontraíram, seu choro convulsivo cessou e começou, finalmente, a dizer coisas sensatas. Limitei-me, então, a convidá-la a fazer, comigo, uma prece, sem explicar por que. Conseqüência: só pelo fato de eu ter me disposto a ouvir, nada mais do que isso, salvei uma vida. Ou contribuí para isso.
Amiúde encontro essa pessoa pelas ruas da cidade. Jamais toquei no assunto desse episódio dramático que ambos vivemos, posto que em lados opostos. Não sei o que pensa de mim (nunca me disse) e na verdade não me importo nada, nada com isso.
Hoje essa pessoa é equilibrada, casada (seu desespero havia sido causado pelo rompimento de um namoro de sete anos), bom pai e um profissional bem-sucedido em sua área. Venceu, sozinha, a maior batalha da sua vida: a da própria sobrevivência. Saiu da beira do abismo pelas próprias forças por ter julgado que fora, finalmente, compreendida (não a compreendi, em absoluto, um só instante, mas simulei muito bem a desejada compreensão). Meu único mérito, se é que tive algum, foi o da paciência de ouvir. Antes que alguém me acuse de arrogante, ressalto que não me considero sábio em toda essa história. Paciente, talvez...

Tuesday, June 17, 2008

REFLEXÃO DO DIA


A vida é muito mais breve do que desejamos. Apenas nossas boas obras (se as tivermos) podem nos sobreviver e permanecer na memória das gerações. Para que isso aconteça, porém, não basta que o que fizermos seja útil, inovador ou original. É necessário que seja conhecido e valorizado. Isso só será possível se nos doarmos ao próximo. Se entendermos que sozinhos não somos ninguém e pouco (ou nada) podemos, pois não passamos de um elo de uma corrente. Se um só deles for frágil e frouxo, esta, fatalmente, se romperá. Somos uma das tantas pedras de uma catedral. Parece função pequena, mas não é. Afinal, se uma delas, qualquer que seja, ceder, todo o edifício haverá de ruir. Antônio Arnault afirma, num trecho do livro “Noites afluentes”: “Breve é a vida e o seu rasto. A posteridade é apenas a memória acesa de uma vela efêmera. Para que a memória não se apague, temos que nos dar uns aos outros, como elos de uma corrente ou pedras de uma catedral”.

Fronteiras do futuro


Pedro J. Bondaczuk

O bom poeta, com vocação para o gênero, é sempre um visionário. É, sobretudo, arauto do futuro. Seus versos nunca perdem a atualidade, pois refletem os sentimentos humanos que são intemporais e integram a essência desse animal que pensa, ri e fala.
O poeta é o intérprete por excelência dos sentimentos das multidões. Apesar de construídos com palavras, seus versos vão além do mero dizer e se constituem em atos, tamanha sua força de mobilização. A poesia foi o primeiro compêndio de história, quando sequer ainda havia a escrita.
Uma pergunta se impõe àqueles que raciocinam e se preocupam não apenas consigo, mas com a sorte e destino da espécie (poetas ou não): qual é a grande fronteira do futuro, a aposta que a humanidade deve fazer para garantir sua redenção e, principalmente, sua sobrevivência? É o investimento maciço em tecnologia, para facilitar a vida de todos? É a conquista do espaço, a descoberta e colonização de novos planetas, para aliviar a superpopulação da Terra?
Essas apostas são importantes, não nego, mas não as essenciais. O maior investimento que se pode fazer, para assegurar um futuro equilibrado e a sobrevivência da espécie, com conforto e dignidade, é no homem. A capacidade humana é quase infinita e até aqui foi desenvolvida, apenas, uma ínfima parte dela.
Dos bilhões de neurônios que possuímos, só menos de 5% são utilizados no correr de uma vida. Que imenso potencial é desperdiçado! Por isso, concordo com Robert Jungk, quando afirma: “Para mim, a grande fronteira do futuro não é o espaço – é o homem, o qual desenvolveu só uma pequena parte de suas capacidades”. Como não concordar?!
Nosso problema é o tempo e como administrá-lo. Afinal, mesmo para os raros que logram atingir idades centenárias, esse número de anos é pequeno demais para fazer tudo o que é preciso. Além disso, a qualquer momento, em plena idade produtiva e no auge do vigor físico e mental, podemos morrer, subitamente, ou por alguma doença fulminante, ou em decorrência de algum acidente, ou vítimas da violência etc.etc.etc.
Salomão constatou, na velhice, do alto da sua sabedoria e experiência, que há tempo para tudo no mundo: para rir, chorar, plantar, colher, amar, ser amado etc.etc.etc. Todavia, reitero, somos mortais. Muitas vezes o reconhecimento que tanto desejamos por nossas boas obras, por exemplo, chega tarde demais, quando já não estamos sequer vivos para colher os frutos do que plantamos.
E isso importa? Entendo que não! Claro que se viermos a ser reconhecidos e recompensados em vida pelo que fizemos será alegria imensa e até questão de justiça. Mas o homem superior, o que integra aquela estirpe que pode ser chamada de “gigantes da espécie”, prescinde de fama, glória ou qualquer tipo de compensação. É generoso e nobre e faz o que faz porque precisa ser feito.
Por mais que este animal que pensa tenha evoluído, mental e espiritualmente, por mais avançada que seja a ciência, com recursos cada vez maiores de pesquisa e acumulação de conhecimento, sua percepção do universo ainda é acanhada, pífia e até risível. Prende-se à sua condição humana, efêmera e limitadíssima, que o impede de sequer vislumbrar o infinito e o eterno, que não cabem em sua estreita mente, nem mesmo mediante o poderoso instrumento da imaginação.
A todo instante, por exemplo, os cientistas tentam delimitar o tempo e o espaço do universo. Consideram, atualmente, que ele foi criado há 4,5 bilhões de anos, mediante um hipotético “Big Bang”. Mas isso pode mudar a qualquer momento, como já mudou muitas vezes, face a novas descobertas que, por sua vez, irão gerar novas teorias.
Por outro lado, os pesquisadores estabeleceram o limite do universo em 16 bilhões de anos-luz, distância tão imensa que, se transformada em quilômetros, encheria páginas e páginas de zeros, à direita de determinada cifra. (Há alguns anos, esta fronteira entre o tudo e o nada era de 13,5 bilhões de anos-luz). Teorias... Meras teorias.
Nossa verdadeira biografia, a que vai permanecer e atestar quem somos e o que fizemos, é produzida no cotidiano, do nascimento à morte. Seu conteúdo e desfecho dependem de nós e de como administrarmos as nossas circunstâncias. Alguns, escrevem-na com a tinta do ceticismo. Outros, com a da cobiça. Outros, ainda, com a do egoísmo, da arrogância e da violência. Insensatos!
Muitos insistem na página do ontem, tentando reescrever um único capítulo do que já passou e, claro, não conseguem. Como será, então, nossa biografia no final? Obscura e esquecida, com poucas páginas e todas caracterizadas por lamentações e tentativas de justificação de fracassos? Tomara que não! Brilhante e exemplar, repleta de sucessos e realizações? Tomara que sim!
Depende de nós. O que temos que fazer é, no amanhã, reescrevermos o ontem, mas com as tintas da esperança. É desenvolvermos, mais e mais, nosso potencial de raciocínio e utilizar, durante nossa vida, pelo menos 50% dos nossos bilhões de neurônios. É, sobretudo, agir construtiva e coletivamente, tendo em vista não apenas o bem-estar e segurança individuais, porém os da espécie.
Sejamos “poetas” na essência, mesmo que não venhamos a compor um único verso em toda a nossa vida. Só assim desbravaremos as nebulosas (e assustadoras) fronteiras do futuro e venceremos o desafio de assegurar a sobrevivência da humanidade, que é a grande tarefa desta e das futuras gerações.

Monday, June 16, 2008

REFLEXÃO DO DIA


As palavras, embora muitas vezes se mostrem insuficientes para expressar determinados pensamentos e sentimentos, face à grandeza e intensidade destes, são poderosas. E dinâmicas! A todo instante, novas são criadas e outras tantas morrem, por caírem em desuso. Nada nos impede de criar determinadas palavras que sobreviverão ou não, na dependência de outras pessoas as utilizarem ou deixarem de utilizar. O uso das palavras, porém, requer bom-senso e cautela. Algumas podem consolar pessoas e até salvar vidas, dependendo da oportunidade e das circunstâncias em que forem ditas (ou escritas). Outras, no entanto, tendem a gerar conflitos, inimizades, sofrimentos e aflições. Temos que ficar atentos, pois, no que, como e a quem dizer. Por isso, não posso deixar de concordar com o poeta, romancista e político francês, Victor Hugo, quando escreve, com a elegância que lhe era peculiar: “As palavras têm a leveza do vento e a força da tempestade”. E não têm?!

Encontro com o duplo


Pedro J. Bondaczuk


A ciência prova a total impossibilidade de haver no mundo duas pessoas absolutamente iguais. Mesmo que alguém fosse clonado, o clone teria personalidade original e única. Fisicamente, há gêmeos univitelinos extremamente parecidos. Isso, no aspecto externo. Interiormente, sempre apresentarão diferenças, quer na estrutura dos órgãos, quer no metabolismo, quer na sua vulnerabilidade.

Quanto ao raciocínio e personalidade, as diferenças serão bem mais acentuadas, pois estes dependem não da morfologia, mas do que a pessoa vê, ouve e sente, do tipo de educação que recebe etc.etc.etc. ao longo da vida. Semelhança, portanto, é muitíssimo distinta de igualdade (e os matemáticos sabem muito bem disso).

Suponhamos, porém, que no mundo houvesse um nosso duplo, rigorosamente igual a nós. Aliás, há uma teoria estrambótica, das tantas maluquices que pululam por aí, que garante que existe um mundo paralelo a este em que vivemos, porém com “sinais trocados”. Seria uma espécie de antimatéria, tema que Paul Dirac trouxe à baila, na primeira metade do século passado e que, a princípio, lhe trouxe muita dor de cabeça.

Todavia, o notável físico inglês não se limitou a teorizar. Estabeleceu uma equação matemática (que leva o seu nome) e demonstrou, pelo menos em teoria, que existia essa possibilidade. Combatido, no início, acabou por se consagrar. Tanto que recebeu, pelo conjunto de suas pesquisas, em 1933, junto com Erwin Schrodinger, o Prêmio Nobel de Física.

Hoje, nos círculos científicos, ninguém mais duvida da existência da antimatéria. E mais, comprovou-se que o universo está repleto dela. Um átomo dela (para que o leitor entenda o conceito) é constituído de elétrons (como qualquer outro), mas com carga positiva e prótons, logicamente, com carga negativa. Parece loucura, mas não é. E se for, não é do homem, mas da natureza.

Quando matéria e antimatéria se encontram, se anulam e desaparecem, transformando-se em energia. E muita, por sinal. Caso fosse possível ao homem utilizar essa fonte energética, alguns microgramas dariam para iluminar o mundo todo. E há já um bom tempo, esse conceito deixou o campo da mera teoria, para se transformar em certeza.

Por exemplo, em outubro de 2002, o mundo científico foi sacudido com a notícia de que, cientistas do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) conseguiram detectar, e medir, amplo número de átomos de anti-hidrogênio frio. Agora, portanto, já não resta mais nenhuma dúvida sobre o que Dirac garantia, com tanta segurança, e era intensamente contestado, por volta de 1928.

Tudo bem, a antimatéria existe. Isso quer dizer que o universo paralelo também é real? De forma alguma! Por enquanto (e creio que para sempre, mas nunca se sabe), não passa de teoria estrambótica e delirante que, se você, amigo leitor, defender, periga de ser internado num hospício, como maluco. Eu é que não defenderei essa maluquice!

Mas, apenas para efeito de exercício da imaginação (que tudo pode e à qual nada é interdito), fico pensando, aqui com meus botões, como seria o meu antípoda, meu duplo com sinais trocados, meu anti-Pedro. Se existisse, deveria ser, no mínimo, fascinante, mas muito amalucado para o meu gosto.

Para ser meu oposto, não poderia, de cara, ser jornalista (nem poeta, contista etc.). Teria que detestar as letras. Seria agressivo e desbocado (já que sou cordato e acredito que sensato no que digo e a quem). Em vez de brasileiro e filho de russos, seria, certamente, chinês e descendente de argentinos. Mas conservaria, claro, minha aparência, sem os olhinhos puxados dos orientais.

Poderia fazer, ainda, milhões de outras extrapolações, desse hipotético anti-Pedro, mas não o farei, para não chatear ainda mais meu pacientíssimo leitor, que a esta altura deve estar perdendo a paciência e clicando outro texto mais sensato da internet. Até porque, prefiro meu duplo que, pelo menos em imagem, existe. Esse é, em tudo, igualzinho a mim, sem tirar e nem pôr.

Refiro-me àquele que o espelho, várias vezes ao dia, me mostra, que faz exatamente o que faço, mas com “sinais trocados”. E que não pode nem ser acariciado e muito menos agredido, por não passar de mera imagem. Esse não fala, não escreve e não faz estas extrapolações malucas (posto que provocativas). Friedrich Durrenmat escreveu: “Qualquer um de nós pode ser o homem que encontra seu duplo”. Pode? Não! Felizmente isso só funciona no terreno da literatura, ou seja, da imaginação. Ufa! Ainda bem!

Sunday, June 15, 2008

REFLEXÃO DO DIA


Há muitos equívocos que cometemos, não raro sem nos darmos conta, em relação ao tempo. Alguns acham, por exemplo, que podem desperdiçá-lo impunemente e que as horas perdidas no ócio e em atividades inúteis e improdutivas, poderão ser recuperadas. Estão enganados. Outros entendem que só podem aproveitá-lo trabalhando. Outro erro! A vida não consiste, apenas, de trabalho. Podemos aproveitar muito bem o tempo gozando de lazer, desde que este seja sadio e construtivo. Quando lemos, um bom livro, assistimos a um bom filme ou a uma peça bem-escrita e bem-encenada, ou quando ouvimos uma boa música, entre tantas outras coisas boas que nos dão prazer, não estamos jogando preciosas horas fora. Estamos, na verdade, “vivendo” o tempo. Perdemo-lo quando nos limitamos a lamentar o que não somos, não temos ou não fizemos, a dizer maledicências, ou a alimentar conflitos. Porque, a rigor, como Afonso Arinos adverte: “Domar o tempo não é matá-lo: é vivê-lo”.

DIRETO DO ARQUIVO


Questão para ser refletida


Pedro J. Bondaczuk


O projeto de lei, apresentado na Câmara Municipal de Campinas, versando sobre o horário de funcionamento das lojas do Shopping Center Iguatemi, despertou acaloradas discussões durante a semana, não somente no Legislativo, mas em vários setores da comunidade.

Na quinta-feira, inclusive, a questão chegou a descambar para a violência, numa praça da cidade, quando os partidários da tese de que o comércio naquele local deve fechar suas portas, aos sábados, às 18 horas, e os que querem que as coisas fiquem como estão, se confrontaram. Esta, porém, não é, evidentemente, a melhor forma da controvérsia vir a ser solucionada.

Nos últimos dias, foi apresentada uma fórmula de conciliação, uma espécie de meio-termo. Ou seja, por ela, as lojas não fechariam nem às 18 e nem às 22 horas, mas às 20 horas. Em princípio, com todo o respeito que os nobres vereadores merecem de nossa parte, achamos que esse tema é muito delicado, requer muita análise, para ser apresentado em caráter de urgência.

O assunto já foi debatido em pelo menos duas oportunidades anteriores, pelo Legislativo passado, tarimbado e experiente, sem que se chegasse a uma conclusão. No nosso entender, os edis eleitos em 15 de novembro de 1988 (quase todos, à exceção de dois, “marinheiros de primeira viagem”), deveriam deixar esse sensível problema para mais tarde, quando já tivessem uma experiência maior das lides parlamentares.

Particularmente, somos favoráveis à manutenção do atual horário do shopping, com toda a razão que possam eventualmente ter os comerciários. Afinal, se a jornada dos funcionários não vem sendo respeitada pelos lojistas, conforme acusam alguns, essa é uma questão para os fiscais do trabalho.

Não é justo que a população toda, que tem nessa flexibilidade de funcionamento das lojas aos sábados uma facilidade para efetuar as compras que não pode fazer durante a semana, em virtude de suas atividades profissionais, seja prejudicada.

Aliás, jornada noturna não são apenas os empregados que atuam no shopping que exercem. Garçons, balconistas, atendentes de farmácias, pessoal hoteleiro, etc., também trabalham à noite, e não se queixam. Quando são contratados, sabem, de antemão, para o que estão sendo.

Outro aspecto a considerar seria o prejuízo que lanchonetes, pizzarias e choperias existentes naquela região iriam ter com o fechamento do comércio ali às 18 horas. Esses estabelecimentos têm o grosso do seu faturamento exatamente em função da freqüência ao shopping. A mudança de horário poderia redundar na dispensa de empregados que atuam neles. Ou seja, equivaleria a “tapar o sol com a peneira”.

É mister que o caso seja, portanto, tratado não como uma questão político partidária. E nem com a urgência que se pretende dar a ela. Ao invés de se alterar, pois, agora, o horário de funcionamento, por que não se promove um diálogo franco, sincero e aberto entre as partes, para se conciliar os interesses?

Não existe, por enquanto, nada melhor do que uma boa conversa para a resolução de pendências. Pelo menos, esta é a forma mais democrática e civilizada de se chegar a um entendimento, sem que fiquem para trás mágoas e ressentimentos. Portanto, seria oportuno que os lados envolvidos refletissem melhor sobre essa questão antes de tomarem qualquer decisão.

(Artigo publicado na página 2, Opinião, do Correio Popular, em 5 de março de 1989).

Saturday, June 14, 2008

REFLEXÃO DO DIA


Sonhar alto e lutar pela concretização dos sonhos é sempre compensador, mesmo que não consigamos concretizar o que sonhamos. Equivocam-se os que nutrem sentimentos de frustração e de amargura face a eventuais fracassos. Quem tenta nunca fracassa. Só o omisso, o covarde e o descrente são verdadeiros fracassados. A quem tenta, por exemplo, sempre restará alguma experiência positiva, alguma melhoria, mesmo que apenas espiritual, dessa tentativa. É assim que se constroem vidas exemplares, algumas das quais se configuram em maiúsculas obras de arte. Às vezes, das cinzas de um sonho não-realizado nasce uma árvore frondosa de outros, muito maiores, que se concretizam. Por isso, concordo com o poeta português, Miguel Torga, quando observa: “O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura. E que a doçura que não se prova se transfigura noutra doçura muito mais pura e muito mais nova”.

Soneto à doce amada - V


Pedro J. Bondaczuk

Minha doce amada, o tempo implacável
nos aniquila momento a momento
e um dia rouba o derradeiro alento,
pois nada existe que seja durável.

Os astros que brilham no firmamento,
e o universo, julgado infinito,
têm seu futuro atado, circunscrito
aos grilhões do tempo, que escoa lento.

Nada escapa à fúria destruidora,
à ação corrosiva que leva ao nada
da entidade que criou a vida.

Resta, porém, a emoção duradoura
do amor, chama que jamais é perdida,
força viva, que é sempre renovada.

Campinas, 14 de fevereiro de 1969

Friday, June 13, 2008

REFLEXÃO DO DIA


É falso e inconsistente o suposto conflito, que determinadas pessoas tentam estabelecer, entre ciência e religião. Os maiores cientistas do mundo são unânimes em reconhecer a existência e onipotência de Deus. Trata-se não somente de constatação lógica, mas, principalmente, óbvia. Basta atentar para a perfeição das leis físicas, químicas e matemáticas que regem o universo, com o espírito aberto, para se concluir que ela não pode ser fruto de mero acaso. É, isso sim, obra de uma Inteligência Superior, incompreensível ao homem, cuja compreensão é sumamente limitada. Mentes finitas e efêmeras não conseguem, jamais, apreender o infinito e o eterno. Isaac Newton, do alto da sua autoridade de consagrado cientista, escreveu: “Do meu telescópio, eu via Deus caminhar! A maravilhosa disposição e harmonia do universo só pode ter tido origem segundo o plano de um Ser que tudo sabe e tudo pode. Isto fica sendo a minha última e mais elevada descoberta”.

Voz do atrevimento


Pedro J. Bondaczuk

A palavra “atrevimento” (como tantas outras expressões, em qualquer idioma) tem dupla conotação: uma positiva e outra negativa. Geralmente consideramos atrevida a pessoa desconhecida que nos dirige a palavra de forma abrupta, agressiva, senão brutal. Ou a, que sem mais e nem menos, ocupa o lugar que era nosso numa fila qualquer. Ou a que dá uma cantada numa mulher bonita que, visivelmente, “não é para o seu bico” e que não lhe deu, dá ou dará a mínima confiança.
Há, é claro, muitas e muitas outras acepções negativas do termo que nem é preciso mencionar, pois todos as conhecem, de sobejo.. Mas o atrevido, também, é o indivíduo que realiza o que ninguém conseguiu ainda realizar e que tinha toda a aparência de irrealizável.
É o que desafia as circunstâncias e faz coisas admiráveis. É o que encara a vida com coragem e ousa ir contra a corrente, impondo, com argumentos, idéias e convicções, mas com consciência e certeza do que faz, e se dá bem. Para o escritor Henry Miller, “imaginação é a voz do atrevimento”. Esse é o atrevimento que me fascina e me mobiliza. Ou seja, o de imaginar alguma coisa que à primeira vista pareça irrealizável, ousar e tentar concretizar o que foi imaginado, e mesmo que não tiver sucesso, gozar da deliciosa sensação de ao menos haver tentado.
A realidade, nua e crua, é fria, é feia, é insuportável. A vida – sempre convém reiterar, já que muitos parecem se esquecer disso – não tem reprises. E é muito bom que não tenha mesmo. Seu maior encanto é justamente este, o da novidade, mesmo que às vezes o “novo” nos traga surpresas desagradáveis, não raro trágicas até. O consolo, porém, é que no momento seguinte pode consertar tudo e nos proporcionar alguma alegria que sequer desconfiávamos que fosse possível. Por isso, atrever-se é preciso. Sempre!
A propósito de hipotéticos (e impossíveis) recomeços, a escritora Júlia Lopes de Almeida faz a seguinte constatação, no “Livro das donas e donzelas” (pouco conhecido, mas que deveria ser lido, sobretudo pelas mulheres): “O que torna a vida encantadora é o imprevisto, e a prova é que ninguém desejaria recomeçá-la da mesma forma porque já a viveu, nem creio mesmo que, se tal milagre se pudesse cumprir, houvesse alguém, por mais venturosa que lhe houvesse corrido a curta vida, que tivesse coragem de a recomeçar”.
Honestamente, eu não a teria. Muitos até afirmam, ousadamente (ou seria impulsiva temerariamente?), que gostariam dessa reprise. Mas são palavras soltas ao vento, sem nenhuma reflexão ou fundamentação, ao sabor do momento. Quando refletem, essas pessoas concluem que o que viveram não foi sequer tão bom assim e muito menos o ideal.
Optam por desejar – reitero, se fosse possível recomeçar a vida – não só por um início diferente, mas também por umk meio e fim diferentes, bastante diversos daqueles pelos quais já passaram. Júlia prossegue, em suas considerações: “Corra alguém os olhos, pense, siga o curso da sua existência, e ficará convencido de que só alguns dias lhe mereceram o desejo de serem revividos. Dias? Nada mais que momentos, de inolvidável doçura”.
Valeria a pena, pois, passar, novamente, pelos mesmíssimos dramas, dores, incertezas e aflições pelos quais já passamos, apenas para reviver escassos, pouquíssimos, raros e fugazes momentos de felicidade? Creio que nem mesmo o mais masoquista dos masoquistas gostaria de reviver tudo isso.
Ademais, é possível que no segundo seguinte esteja o tosão de ouro, o Santo Graal, o cálice sagrado da felicidade, que tanto procuramos e que raros encontram algum dia. É verdade que pode estar, também, a morte. Mas isso não há como evitar. Será sempre, sempre um dos tantos riscos que teremos que correr.
Ouçamos, pois, a voz do atrevimento, que algumas vezes não passa de quase inaudível sussurro, mas que em outras é um grito, um brado, um berro a nos desafiar. Não nos acovardemos nos refugiando na comodidade da omissão. Sejamos ousados, posto com a necessária prudência, e criemos as oportunidades que precisamos, caso elas não surjam espontaneamente, como cavalos selados, à espera, apenas, de serem montados.
Sejamos atrevidos, sim, face às circunstâncias, favoráveis ou negativas, não importa. No primeiro caso, para elevarmos ao máximo grau as satisfações que venhamos a conquistar. No segundo, para pelo menos tentar reverter o que pareça (e talvez de fato seja) irreversível. Ousemos sonhar, cada vez mais, cada vez mais alto, cada vez mais intensamente. Ousemos encarar o que outros já encararam, e fracassaram. Ousemos, acima de tudo, dar asas velozes e fortes à imaginação, essa voz alentadora do atrevimento (do saudável e construtivo, convém sempre destacar).