Saturday, October 06, 2007

Voz do silêncio


Pedro J. Bondaczuk


Doce amada, luz e inspiração dos meus dias,
depositária dos desejos e dos sonhos,
ouça minha voz na voz insólita do silêncio
no inaudível sussurro esquivo da mansa brisa,
nos murmúrios, cicios, gemidos e arquejos noturnos.
Ouça as mensagens interditas, linguagem dos anjos,
e palavras profanas das sacerdotisas de Baco,
revelações, desvendar de segredos, inconfidências,
versos, imprecações, louvores e preces.

Ouça, amada, palavras secretas, incoerentes
que, tímido e arredio, nunca soube proferir,
dramáticas confissões de um contrito e fiel crente,
voz do desespero, de paixão, enlevo e desejo.

Ouça minha voz na voz insólita do silêncio,
no murmúrio dos regatos preguiçosos,
nos lamentos monótonos, vagos, dos mochos,
voz e mensagens que só você pode entender.

(Poema composto em Campinas, em 16 de setembro de 2007).

1 comment:

Evelyne Furtado said...

Belissimo, seu Blog, amigo Pedro! Passei e estou adorando o que vejo.
Depois passa em www.evelynefurtado.blogspot.com que deixei um convite a uma brincadeira ibteressante para vc lá.
Um abraço e ótimo fim de semana.