Saturday, July 22, 2006

Soneto à doce amada - XXVII


Pedro J. Bondaczuk

Que insensatez, minha doce amada,
em tentar o tempo móbil deter...
Quisera ofertar-te sempre meu ser!
Fazer do teu olhar uma morada

eterna dos meus sonhos tão azuis...
Mas o tempo, cruel, marcha ligeiro!
Este instante é tão vão e passageiro
que amanhã não terás o que possuis.

Minha doce amada, hoje somos dois.
Amanhã, por certo, seremos três
a viver esta insólita ilusão.

Nós não deteremos nunca este mês.
Deixa o tempo voar, como a canção!
Minha doce amada! Que insensatez...!


(Soneto composto em Campinas, em 3 de novembro de 1967 e publicado na "Gazeta do Rio Pardo", em 26 de novembro de 1967, no jornal "O Município", de São João da Boa Vista, em 5 de fevereiro de 1969 e no "Jornal do ACP", de Paulínia, em 24 de maio de 1969).

4 comments:

Anonymous said...

Here are some links that I believe will be interested

Anonymous said...

Here are some links that I believe will be interested

Anonymous said...

I say briefly: Best! Useful information. Good job guys.
»

Anonymous said...

Your site is on top of my favourites - Great work I like it.
»